16º assassinato de mulher no DF: polícia lança caçada ao acusado

Na madrugada da última segunda-feira (12), morreu, vítima de violência doméstica Rozane Costa Ribeiro, de 49 anos. A mulher foi esfaqueada até a morte pelo companheiro, no interior de sua residência, no Riacho Fundo II, em Brasília.

Segundo o Painel Interativo de Feminicídios, da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF), a capital do país registrou neste ano 15 casos de confirmados de feminicídios e dois que estão sob análise. Os números, atualizados no último domingo, têm dados coletados até outubro deste ano. De todas as ocorrências, 10 ocorreram dentro de residência, sete com uso de arma branca e 5 por agressão física.

mulher
Painel Interativo de Feminicídios do DF. Imagem: PCDF

A mulher foi assassinada na frente do filho, de 12 anos

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Lúcio Valente, o crime aconteceu na frente do filho de Rozane, de 12 anos, que foi encaminhado para a casa dos tios maternos.

A denúncia foi feita por uma vizinha moradora do mesmo andar em que o crime aconteceu. Ela percebeu que Rozane estava ferida, tentou estancar o sangue, e ligou para o Samu. A testemunha também esclareceu à corporação que o adolescente, filho da vítima, presenciava as brigas e agressões do casal que já acontecia há muito tempo.

O caso está sendo apurado pela 29ª Delegacia de Polícia (Riacho Fundo), e as autoridades investigativas afirmaram que o suspeito, Alexandre Ribeiro, 47 anos, foi gravado pelas câmeras de segurança saindo do prédio, e fugindo no carro da vítima.

O delegado Lúcio Valente acredita que o criminoso possivelmente tentará voltar ao Rio de Janeiro, cidade onde nasceu.

Existem equipes no DF e em GO para prender o autor. Ele está com o carro da vítima e é possível que tente ir para o Rio de Janeiro, seu local de origem. Já estamos pedindo ao Judiciário a prisão preventiva dele”, destacou a autoridade.

A polícia civil pediu ainda a ajuda da população para encontrar Alexandre. Quem tiver informações sobre o paradeiro do suspeito pode entrar em contato pelo telefone 197. A denúncia é anônima e sigilosa.

Fonte: Correio Braziliense