• 21 de outubro de 2020

Resultados para: inocente

Advogado criminalista. Mestre em Direito Público (UNISINOS/RS). Professor de Direito Penal.

A presunção de inocência serve também ao inocente

A presunção de inocência serve também ao inocente Tivesse o sistema de Justiça a precisão da matemática, provavelmente pouco se argumentaria contra uma aplicação antecipada de pena. Entretanto, não o é. Aliás, é falível em demasia, seja pela dificuldade da “reconstrução probatória do passado”, seja pela inerente falibilidade do juízo humano, etc. Por isso, a […]Leia Mais

O perfil criminal em ‘O Silêncio dos Inocentes’

O perfil criminal em O Silêncio dos Inocentes Tudo começa quando Clarice Starling, estudante do FBI, vai ao encontro de Hannibal Lecter, famoso serial killer e psiquiatra forense, com o pretexto de estudá-lo. O filme de 1991, baseado em um livro de Thomas Harris, faz uma analogia com os estudos de John Douglas e Robert […]Leia Mais

Introducing myself! As razões de um inocente confesso

Introducing myself! As razões de um inocente confesso Não é apenas por uma questão de vaidade que sinto necessidade de me dirigir a milhões de pessoas com o fim de me apresentar. Na realidade trata-se de uma busca desesperada no sentido de estabelecer um ponto de partida para o exercício do genuíno direito ao contraditório e […]Leia Mais

Lula é inocente?

Lula é inocente? Guilty / Not guilty (culpado / inocente). Esse é um binômio tradicional nos discursos forenses mundiais, especialmente norteamericanos-hollywoodianos. Bem o conhecemos. Até recebe fundamento matemático-filosófico na principiologia lógica aristotélica: se é culpado, não pode ser inocente; se é inocente, não pode ser culpado. Um rótulo exclui o outro. Por que é possível […]Leia Mais

Condenar um inocente ou absolver um culpado

Condenar um inocente ou absolver um culpado Há no imaginário forense, repetido em faculdades de direito, tribunais e almoços de família um jargão (comumente atribuído a Voltaire) que se tornou popular: antes absolver um culpado do que condenar um inocente. É uma expressão que sempre me intrigou, apesar de usá-la corriqueiramente em exemplos acadêmicos ou […]Leia Mais

Promotor se arrepende de ter ajudado a colocar inocente no corredor da morte

Por Redação Não há maior erro judiciário do que condenar uma pessoa injustamente à pena de morte. Mas foi isso exatamente o que aconteceu com Glenn Ford. Ele cumpriu quase 30 anos de pena no corredor da morte por homicídio, em confinamento solitário, na Penitenciária de Louisiana, nos Estados Unidos, quando surgiram novas evidências revelando que o crime havia sido cometido por outra pessoa. […]Leia Mais