• 28 de setembro de 2020

Comentários sobre a cadeia de custódia no pacote anticrime (Lei 13.964/19)

 Comentários sobre a cadeia de custódia no pacote anticrime (Lei 13.964/19)

Comentários sobre a cadeia de custódia no pacote anticrime (Lei 13.964/19)

Neste momento estou debruçado sobre a lei 13.964/19, popularmente intitulada “pacote anticrime”, preparando uma anamnese processual, segmentada, de alguns dos seus aspectos mais relevantes.

Superado o “mito da verdade real”, a prova permite, a um só tempo, ao magistrado uma atividade recognitiva de reconstrução aproximativa de um fato pretérito, na mesma medida em que oportuniza, às partes, a tentativa de produção de elementos de convicção, capazes de conduzir o ato decisório a um julgamento alinhado ao esforço retórico da defesa ou da acusação.

Dito de outra forma, a prova é a pedra de toque do Processo Penal, dependendo dela, e da sua legalidade, o deslinde justo e válido de qualquer processo criminal, não sendo exagerado dizer que a prova é o fio condutor entre o fato sob exame e a convicção do julgador.

Portanto, temos o controle epistêmico da validade da prova, assegurando que não haja rupturas na cadeia de custódia, para manutenção dos standards de legalidade, diferindo-se fiabilidade às decisões e processos. 

Na porção média do art. 3º do diploma sob exame, que introduz alterações no Código de Processo Penal, deparo-me com as novas redações dos artigos 158 A, B, C, D E e F.

A rigor, tratam de matéria que já permeava o sistema de proteção da prova penal, refiro-me à cadeia de custódia, tema brilhantemente discorrido pelo professor Geraldo Prado, em sua obra “A cadeia de custódia da prova no processo penal”, ed. Marcial Pons.

Para nós, criminalistas, a normatividade objetiva da matéria significa, para além de uma garantia processual, a possibilidade de exigir a conformação procedimental, aos moldes legais, sob pena de nulidade, vez que no processo penal, forma é garantia.

Comemorando o recorte garantista desse aspecto formalista introduzido pelo “pacote”, não se pode olvidar que o art. 158 está inserido no CPP em seu Título VII – DA PROVA.

Dessa forma, ainda que o art. 158-A refira-se aos esforços ou procedimentos utilizados para manter e documentar a história cronológica do “vestígio coletado”, por óbvio, esse “vestígio” do crime deve ser considerado prova, e a sua preservação equiparando-se à cadeia de custódia.

Ademais, o art. 158-A é o que se denomina “artigo conceito”, ou seja, um dispositivo legal que apresenta a conceituação de fato ou instituto jurídico – neste caso, assim descrevendo a leitura do legislador acerca da cadeia de custódia:

Art. 158-A. Considera-se cadeia de custódia o conjunto de todos os procedimentos utilizados para manter e documentar a história cronológica do vestígio coletado em locais ou em vítimas de crimes, para rastrear sua posse e manuseio a partir de seu reconhecimento até o descarte.

O § 1º do artigo 158-A descreve os marcos temporais e legais do início da cadeia de custódia.

Significa dizer que, com a consagração legal objetiva daqueles marcos, suas eventuais violações importarão em consequências processuais que, como corolário, afetarão desde o status libertatis, até mesmo a geração de eventuais nulidades.

Mas o “pacote” foi além, fixando-se, uma a uma, as etapas da cadeia de custódia, o que significa dizer que, em um sistema persecutório muitas vezes falho e sem estrutura, como o nosso, parece-nos que, em pouco tempo, ou viveremos uma verdadeira “era das nulidades”, ou o Judiciário, em nome da sua autopreservação, dará um “drible da vaca hermenêutico”, como diria Lenio Streck.

Assim sendo, de forma quase cartesiana, o “embrulho”, ou “pacote”, enfim, a Lei 13.964/19, em seu art. 3º, ao inserir o art. 158-B no CPP, com seus 10 (dez) incisos, construiu e descreveu um iter normativo para a preservação da cadeia de custódia, impondo-se uma verificação que vai desde o reconhecimento (inciso I), daquilo que se presta à caracterização de prova, até o seu efetivo descarte (inciso X).

Nem que se fale ou utilize o argumento da “fase pré-processual” para descaracterização técnica da prova, pois em diversos pontos do novel diploma o legislador, inclusive, já estabeleceu o contraditório e.g., – no caso de debates sobre prorrogação da prisão provisória (art. 3º-B, VI) – mencionou expressamente “contraditório e ampla defesa” (art. 3º-B, VII) – garantiu o acesso às “provas produzidas no âmbito da investigação criminal” (art.3º-B, XV) – para além da inserção sistêmica da cadeia de custódia no Título VII do CPP – DA PROVA, que abriga todos os aspectos normativos da prova penal.

Dito de outra forma, a fase pré-processual, em um sistema acusatório – reafirmado na parte inicial do novo art. 3º-A – consagra a produção de provas, admite expressamente, em diversos momentos, a ampla defesa e o contraditório, tanto quanto abre maior espaço para a investigação defensiva.

Em última análise, ainda que estejamos descrevendo interpretações vestibulares sobre o tema, parece-nos evidente que, ao estabelecer contornos conceituais e, especialmente, procedimentais, para consagração da cadeia de custódia no ordenamento jurídico, o legislador restringiu aspectos habituais de uma discricionariedade histórica empregada nas investigações criminais, impondo-se a observância das novas balizas normativas, sob pena de mitigação defensiva e, consequentemente, a geração de incontáveis nulidades.

Seguiremos analisando, parte por parte, os novos aspectos da Lei 13.964/19, certos, desde já, que a sua aplicação prática levará a diferentes interpretações e adequações, sobretudo em razão das dificuldades impostas ao Judiciário para dar cumprimento às diversas inovações descritas na referida lei.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

James Walker Jr.

Advogado criminalista, professor e presidente da ANACRIM.