ArtigosProcesso Penal

A justiça tarda… e falha

a justiça tarda

A justiça tarda… e falha

Uma discussão que transcende a simples esfera processual trata acerca da razoável duração do processo, insculpida como garantia constitucional. Qual a análise que podemos fazer sobre um processo que se diga demorado, ou rápido, é possível assegurar o exercício democrático da punição, garantindo a ampla defesa e o contraditório sem exceder-se temporalmente na formação da culpa?

O presente subscritor deparou-se com circunstância inusitada, mas que, para fins acadêmicos, mister trazer a situação jurídica existente nos autos ainda em trânsito perante o Poder Judiciário Gaúcho. Trata-se de processo-crime com multiplicidade de Réus, em que se apurou a suposta prática de tráfico de drogas.

Gize-se, houve a realização de devassas na vida dos Acusados, por meio de interceptações telefônicas, cumprimentos de Mandados de Busca e Apreensão e as suas próprias prisões preventivas durante toda a instrução processual. A denúncia foi recebida em setembro de 2014, com a prolação de sentença, após regular instrução processual, em abril de 2015.

Um detalhe interessante foi a rejeição parcial da denúncia apresentada pelo Ministério Público, quando o Juízo não acolheu capítulo com relação a todos os Réus no que tange a imputação delitiva de associação ao tráfico (art. 35 da Lei 11.343/06). Irresignado, o órgão acusatório interpôs recurso de apelação.

Em sede de sentença, o Juízo de 1º grau prolatou édito condenatório com relação a um dos Acusados, absolvendo os demais da imputação do crime de tráfico de drogas (art. 33 da Lei 11.343/06). Houve apelação defensiva, bem como acusatória. Em grau recursal, na análise das apelações defensivas e acusatórias, aquelas interpostas da decisão sentencial, o órgão colegiado reformou a sentença de primeiro grau para fim de absolver o único Acusado que havia sido condenado em primeiro grau, improvendo o recurso acusatório.

A justiça tarda…

Destaca-se que a tramitação recursal durou praticamente dois anos, entre o seu cadastramento até o retorno à instância originária (2016-2018). Já, com relação a Apelação interposta pela acusação, buscando a reforma da decisão que rejeitou parcialmente a denúncia, sua tramitação na instância recursal iniciou-se em 2014, findando, com retorno à instância originária, no ano de 2017. Nesta apelação, o Tribunal de Justiça acolheu o pleito Acusatório e reformou a decisão de primeiro grau, determinando o recebimento integral da denúncia apresentada pelo Ministério Público.

Vejamos, atualmente, acusados já absolvidos de todas as imputações atinentes à prática de tráfico de drogas encontram-se, novamente, na condição de Réus, tendo que enfrentar, com relação aos mesmos fatos, nova tipificação jurídica que não se sustenta por si só. Vejamos a dicção do art. 35 da Lei de Drogas:

Art. 35. Associarem-se duas ou mais pessoas para o fim de praticar, reiteradamente ou não, qualquer dos crimes previstos nos arts. 33, caput e § 1º, e 34 desta Lei:

Pena – reclusão, de 3 (três) a 10 (dez) anos, e pagamento de 700 (setecentos) a 1.200 (mil e duzentos) dias-multa.

Ou seja, o crime do delito associativo está vinculado à prática das condutas descritas no art. 33 da mesma lei, que se refere à prática do tráfico de drogas, portanto, estando os réus já absolvidos nesta seara, impossível a continuidade processual do feito.

A justiça tarda… e falha

Portanto, atualmente, passados anos da decisão absolutória, confirmada em sede recursal, retornam as pessoas que já tiveram sua culpa verificada e infirmada, agora, respondendo por capítulo denuncial insustentável.

Nesta oportunidade cabe o questionamento sobre o que se entende por duração razoável do processo, bem como se o atual estado da questão judiciária se encontra em nível satisfatório. A coluna desta semana busca apenas uma reflexão, para que possamos, de forma crítica e compromissada, caminharmos conjuntamente para a concretização do ideal de Justiça.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários

Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail