ArtigosDireito Penal

A perturbação da tranquilidade como um problema civil e não penal

a perturbação da tranquilidade

A perturbação da tranquilidade como um problema civil e não penal

Recentemente ganhou repercussão a notícia de uma idosa de 68 anos, na cidade de Santa Rita do Passa Quatro (SP), que foi condenada a 25 dias de prisão simples, pela contravenção penal do artigo 65 da Lei 3688/41, combinado com o artigo 71 do Código Penal.

Segue trecho da sentença:

(…) Narra a denúncia que a denunciada abriga em sua  residência vários animais, dentre os quais estão 4 (quatro) galos que produzem ruídos durante a madrugada e vêm perturbando o sossego e a tranquilidade da vizinhança, conforme se verifica pelos áudios registrados com a gravação do canto das aves, que, por diversas vezes, têm prejudicado o descanso das vítimas.  

Assevera ainda que a ré, apesar de orientada a tomar providências para dar solução à perturbação provocada por seus animais, no sentido de mantê-los na parte da frente de sua propriedade, e mesmo depois de submetida a processo criminal por fatos semelhantes (Ação Penal nº 000047571.2017.8.26.0547), não buscou solucionar o problema, postura que configura acinte e motivo reprovável. (…)

Ao contrário, a ação penal anteriormente ajuizada não intimidou a acusada na medida em que, por acinte ou por motivo reprovável, manteve as aves no mesmo local causando perturbação da tranquilidade dos ofendidos.    

Destarte, comprovadas a materialidade e da autoria do delito de perturbação da tranquilidade alheia e restando demonstrado que a ré não procurou impedir o barulho produzido pelos animais de que tem a custódia e que, por acinte ou motivo reprovável, permitiu que seus galos continuassem a cantar de madrugada junto ao muro de divisa da casa das vítimas, causando incômodos, a condenação é medida que se impõe. 

Passo à dosagem da pena, atenta às diretrizes dos artigos 59 e 68 do Código Penal. 

Por não ostentar antecedentes criminais (fl. 41) aplico a pena no patamar mínimo, ou seja, prisão simples de 15 (quinze) dias (…).

Primeiramente, é inacreditável que uma lei tão ultrapassada como a Lei das Contravenções Penais ainda esteja em vigor, dando margem a situações bizarras como a narrada, em que a conduta de uma idosa de 68 anos que mantém galos em sua residência é considerada “um acinte”, uma conduta reprovável, uma provocação aos vizinhos. 

A sentença, com todo o respeito ao (a) magistrado (a) responsável pelos autos, merece toda a sorte de críticas pelo punitivismo desnecessário e exacerbado.

Primeiramente, a condenação pura e simples merece críticas. Ainda que seja um anacronismo no sistema jurídico moderno, a Lei das Contravenções Penais está em vigor e volta e meia aparece em questões como a ilustrada pela sentença. Cabe, então, ao Ministério Público e ao Judiciário aplicar a Lei com parcimônia e critérios.

Dispõe o artigo 65 da Lei das Contravenções Penais:

Art. 65. Molestar alguém ou perturbar-lhe a tranquilidade, por acinte ou por motivo reprovável:

Pena – prisão simples, de quinze dias a dois meses, ou multa, de duzentos mil réis a dois contos de réis.

Acinte, no dicionário:

1. De forma intencional, de propósito, de modo provocador.

2. Ação praticada com premeditação, de caso pensado, a fim de contrariar, desgostar ou ofender alguém; provocação.

Obviamente a conduta da idosa de manter galos como animais de estimação não pode ser considerada uma provocação aos vizinhos. O portal Migalhas, um dos veículos que trouxe a notícia, declarou que a idosa vive em uma chácara, ou seja, fora da zona urbana, um local adequado para a criação de animais:

O MP ofereceu denúncia gerada pela reclamação de um casal de vizinhos que estava incomodado com o barulho que os 4 galos causavam na chácara onde a idosa vive há 23 anos.

De acordo com eles, os galos ficavam em uma árvore a três metros da janela do quarto onde dormem e cantavam durante toda a noite, prejudicando o sono. Alegaram que procuraram a prefeitura, mas que a idosa recusou a notificação do Centro de Zoonoses para que retirasse os animais do quintal. (grifos nossos).

O Centro de Zoonoses da cidade insistiu que a idosa se desfizesse de seus animais. Se os animais não estavam doentes ou causando doença, e se a idosa residia fora da zona urbana, entendo que faltou justa causa mesmo para a intervenção do CCZ.

A sentença colocou a conduta de uma idosa que cria animais em uma chácara como uma provocação aos vizinhos, e penalizou a ré por “não impedir os galos de cantar”. Como um ser humano impede um galo de cantar, a sentença não explicou:

Destarte, comprovadas a materialidade e da autoria do delito de perturbação da tranqüilidade alheia e restando demonstrado que a ré não procurou impedir o barulho produzido pelos animais de que tem a custódia e que, por acinte ou motivo reprovável, permitiu que seus galos continuassem a cantar de madrugada junto ao muro de divisa da casa das vítimas, causando incômodos, a condenação é medida que se impõe. (grifos nossos).

Além da condenação, houve o entendimento de aplicação do artigo 71 do CP, por haver um suposto delito continuado. 

Como se já não fosse a punição exacerbada o bastante, foram afastadas as possibilidades de transação penal e cabimento de penas restritivas:

É certo que a pena privativa de liberdade fixada poderia ser substituída por pena restritiva de direitos, porém tendo em conta que a acusada não se intimidou com a denúncia anteriormente ofertada pelo Ministério Público e, mantendo as aves no mesmo local, prosseguiu sem interromper ou impedir a importunação do sossego das vítimas, inviável a substituição posto não preenchido o inciso III, do artigo 44 do Código Penal. Ao depois, a execução de eventual prestação de serviços à comunidade ou entidade pública seria impossível pela notória e pública falta de estabelecimento que aceite o múnus nesta Comarca e a prestação pecuniária esbarraria na alegada capacidade financeira da ré.

Por fim a sentença concede à ré a suspensão condicional do processo, por presentes as condições que o autorizam.

Leia também perturbação da tranquilidade:

Geralmente o artigo 65 da LCP é encontrado na jurisprudência em situações que envolvem assédio sexual, antes da nova lei de assédio. Em tese, tal artigo sequer é cabível na situação encontrada nos autos objeto deste estudo:

TJ RS Recurso crime RC 71001551886. APELAÇÃO CRIME. PERTURBAÇÃO À TRANQUILIDADE. ART. 65 DA LC. CONDENAÇÃO. Pelo contexto fático, o R. perturbou a tranquilidade da vítima, por motivo reprovável, demonstrado ao pedir-lhe um beijo e tentado agarrá-la à força. NEGADO PROVIMENTO À APELAÇÃO. UNÂNIME.  (RC 71001551886 RS, julgado em 11 de fevereiro de 2008).

Ainda assim, urge repensar a finalidade da ultrapassada Lei das Contravenções Penais. 

Situações como a descrita, de conflito entre vizinhos, seriam mais adequadas ao Direito Civil. No entanto, a vigência da LCP permite que tais pequenezas vão parar na esfera penal.

O Direito Penal Mínimo defende o direito penal como a ultima ratio, quando as demais esferas falharam em solucionar o conflito. Uma ação cível resolveria o conflito com menos aborrecimento a uma idosa de 68 anos que vive há 23 anos no mesmo lugar, com seus galos de estimação. 


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Especialista em Ciências Penais. Advogada.
Continue lendo
ArtigosDireito Penal

O Último Tango em Paris e a romantização da “cena” de estupro de Maria Schneider

Advocacia CriminalArtigos

A nomeação do advogado como curador no processo penal

ArtigosExecução Penal

A ressocialização na ótica do caso do goleiro Bruno 

ArtigosDireito Constitucional

Possibilidade de execução da pena após condenação em segundo grau de jurisdição

Receba novidades em seu e-mail