ArtigosDireito Digital

Crimes Contra a Administração Pública em Tempos de e-Gov (Parte I)

Em tempos de governo eletrônico (e-Gov), Estado virtual, governo web e tantas outras designações que atualmente fazem parte do nosso vocabulário moderno e que indicam a ideia de que o Estado se utiliza das novas tecnologias para realizar a entrega dos produtos e serviços aos cidadãos, com a nítida dependência, cada vez mais intensa, de ferramentas eletrônicas e tecnologias da informação, nos parece oportuno e relevante analisar como ficam os crimes contra a administração pública.

Em outras palavras, há alguma mudança para tais delitos, frente ao novo contexto em que os serviços públicos estão inseridos?

No espaço de hoje, pretendemos introduzir o leitor à reflexão proposta, visando criar elementos para que possamos, efetivamente, compreender a dimensão na qual os crimes contra a Administração Pública estão inseridos no atual contexto das novas tecnologias, bem como as possíveis consequências que tal convergência pode trazer à seara do Direito Penal.

Inicialmente cabe abordar o conceito de e-Gov, termo que vem do inglês, electronic government – cuja tradução livre seria governo eletrônico – e que consiste no uso das tecnologias da informação para a entrega dos produtos e serviços do Estado aos cidadãos em geral.

O termo e-Gov também está comumente associado à ideia de uso de ferramentas eletrônicas e tecnologias da informação para aproximar governo e cidadãos, buscando-se a superação, com isso, do obstáculos de comunicação existentes entre as duas esferas.

O objetivo dessa inovação é fortalecer as relações dos governos e torná-los mais efetivos, aumentando a transparência, a responsividade e a administração de recursos.

A ideia matriz de governo eletrônico surgiu em 1993, após o lançamento do primeiro browser que permitia uma navegação fácil pela internet.

A partir desse ensejo, na abertura do primeiro Fórum Mundial de Reinvenção de Governo, o então vice-presidente do Estados Unidos, Al Gore, trabalhou com essa ideia visando um movimento mundial de modernização dos governos, sendo que, desde então, governos de todo o mundo têm investido em novas ferramentas de comunicação a partir das novas tecnologias eletrônicas (Chahin, 2004).

Atualmente, podemos dizer que a noção de governo eletrônico está ligada à prestação de serviços públicos por meio eletrônico, ou seja, utilizando-se recursos de tecnologia da informação, em caráter remoto e disponível no sistema 24/7 ou seja, vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana.

Neste ponto, devido às várias confusões doutrinárias e conceituais que existem, vale diferenciar governo eletrônico de democracia digital, pois que, enquanto o e-Gov se debruça sobre as aplicações das tecnologias de comunicação digital sobre as práticas burocráticas do governo e do Estado (cobrança de impostos, prestação de serviços, dentre outras atividades), as experiências de Democracia Digital se empenham em aprimorar a participação e a transparência políticas (Matsuda, 2006).

Nesse contexto, como bem apresenta Pierre Levy, “a necessidade de investimento em um governo eletrônico é justificada no surgimento de um novo espaço público, criado a partir da revolução comunicativa dos meios eletrônicos.

Dentro dessa esfera está o ciberespaço, permeado pela comunicação sem a necessidade da presença do homem, em que todos os indivíduos estão ligados por meio dos seus relacionamentos”.

Além disso, Levy destaca que a exploração deste novo ambiente pode favorecer o que ele denomina “inteligência coletiva”, já que há uma tendência de se usar o ciberespaço em favor do desenvolvimento dos grupos desfavorecidos, podendo, portanto, o desenvolvimento tecnológico e sua aplicação nas atividades e ações do Estado ser usado tanto para quem já detém poder controlar os seus subjugados quantos para reverter esse processo e diminuir as diferenças entre comandantes e comandados.

No Brasil, veremos que este processo ainda encontra-se em estágio bastante inicial, sendo certo que a ainda há muito a ser desenvolvido neste sentido, pois que há, não só, ainda um acesso reduzido dos usuários à Internet, como também falta aos cidadãos o conhecimento sobre as estruturas governamentais.

Acrescente-se a isso, o uso, pelos governos, de softwares sofisticados que, por vezes não possuem a mínima facilidade de utilização. Por fim, cabe destacar que a falta de interesse dos usuários diminui a demanda pelos investimentos nessas ferramentas, agravando a situação descrita, apresentando-se, com isso, uma não-efetividade do serviço, já que as taxas de interação com os governos ainda são muito baixas.

Frente a isso, buscaremos destacar como se pode compreender as figuras típicas elencadas no Código Penal, especificamente no Título XI, que trata do crimes contra a administração pública.

Na análise proposta, abordaremos o peculato, em todas as suas modalidades, a concussão, a corrupção e a prevaricação, visando destacar o uso das novas tecnologias na perpetração de tais condutas criminosas, bem como os reflexos que tal convergência trará ao aspecto penal da situação fática.

Não obstante tenhamos em mente que a reflexão aqui proposta é preliminar e bastante rudimentar, frente a total ausência de literatura sobre o tema, também entendemos de extrema relevância sua realização, pelo que, instamos o leitor a participar ativamente de sua construção.

Com a visão voltada à ideia de que a ampliação do acesso à informação pública é necessária no âmbito de um regime democrático, sem, contudo, nos esquecermos de que se houver uma avalanche de informações do governo, mas a maioria dos cidadãos não se sentirem preparados para utilizá-las de forma crítica ou buscá-las, elas servirão apenas a um grupo de interesse que continuará dominando a esfera de discussão, passaremos, na próxima semana a debater, especificamente, os tipos penais propostos.


REFERÊNCIAS 

CHAHIN, Ali et al. E-gov.br: a próxima revolução brasileira. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

LÉVY, PIERRE. A Máquina Universo. Tradução Bruno Charles Magne. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2002.

MATSUDA, Toshito Celso. Governo eletrônico, a reforma democrática do Estado-Nação: a prefeitura da cidade de São Paulo: ECA-USP, 2006, Tese de doutorado.

VAZ, José Carlos. Administração Pública e Governança Eletrônica? Possibilidades e Desafios para a Tecnologia da Informação. In: Governo Eletrônico – Os Desafios da Participação Cidadã. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer. Série Debates no. 24. Dezembro 2002.

Autor

Dayane Fanti Tangerino

Mestre em Direito Penal. Advogada.
Continue lendo
ArtigosProcesso Penal

Cadeia de custódia de prova no processo penal

ArtigosPolítica Criminal

A busca por alternativas penais

Advocacia CriminalArtigos

Fraudes em audiência e o peticionamento para prequestionar e prevenir nulidades

ArtigosDireito Digital

O tratamento jurídico das mensagens do WhatsApp em sede penal

Receba novidades em seu e-mail