Advocacia CriminalArtigos

Lançamento: Advocacia Criminal e Prerrogativas Profissionais

advocacia criminal e prerrogativas profissionais

Lançamento: Advocacia Criminal e Prerrogativas Profissionais

Tendo nascido de uma parceria sui generis entre os três articulistas que subscrevem o presente texto, a obra “Advocacia Criminal e Prerrogativas Profissionais” finalmente mostra a sua cara ao mundo jurídico: é com prazer que anunciamos o lançamento (pré-venda) do nosso livro.

Cientes da preocupação que permeia o âmbito da advocacia – em todas as suas áreas, mas quiçá com maior ênfase na seara criminal -, pois situados num cenário em que a violação das prerrogativas profissionais e os movimentos insuflados pela afã de criminalizar o exercício da advocacia, a necessidade de se conhecer e efetivar os direitos que o advogado possui foram transmitidas para os textos que foram reunidos no nosso “Advocacia Criminal e Prerrogativas Profissionais”.

Advocacia criminal e prerrogativas profissionais

O livro surge assim com o propósito de se ter um algo em mãos, um algo de fácil e rápido e acesso para consultas pontuais que, além de abordarem de forma concisa em que consistem as prerrogativas profissionais e quais são esses direitos, transmitam a problematização presente no exercício profissional de modo crítico.

Crítico, pois se é levado em conta que as violações às prerrogativas são muito mais costumeiras do que poderiam ser. Conciso, pois as abordagens, longe de serem superficiais, abordam objetivamente os problemas a serem enfrentados.

As discussões podem ser entendidas como um alerta – ou ainda como uma conclamação para que uma conscientização entre em curso. O livro, portanto, é apenas um dos passos iniciais para que um algo maior tome rumo e marche em direção ao respeito à dignidade profissional.

Destaca-se que o escrito que será lançado é totalmente atual, uma vez que as prerrogativas profissionais ainda são, infelizmente, desrespeitadas de maneira desmedida e das mais variadas formas, servindo o livro como um verdadeiro manifesto de respeito às prerrogativas dos advogados, bem como de chamamento a todos os profissionais para um engajamento cada vez maior nessa luta.

Salienta-se o prezar pela análise prática de violações às prerrogativas dos advogados, ocorridas nas mais diversas situações, bem como em casos hipotéticos, de modo a permitir a visualização facilitada de situações que todos os advogados quedam-se sujeitos no decorrer da prática da advocacia.

Assim se fazem evidentes os objetivos da obra, a qual, humildemente, se presta também a fomentar o debate e estudo acerca das prerrogativas dos advogados, valendo elencar que tal matéria é primordial ao exercício da advocacia..

Ao se observar que as prerrogativas profissionais da advocacia são pouco trabalhadas no âmbito acadêmico (e inclusive profissional), surge daí a necessidade de propagar o “em que” e “para que” elas consistem.

Em sendo as prerrogativas meramente uma espécie de aparato mínimo para que o advogado possa exercer a sua profissão com destemor, a necessidade de que sejam conhecidas e respeitadas é condição de possibilidade para que possam ser efetivamente postas em prática.

É nesse sentido que a nossa proposta se conduz: conhecer, difundir e debater como um passo primevo para que a coisa evolua rumo à plena conscientização acerca do papel que a advocacia desempenha na sociedade.

Clique na imagem a seguir para saber mais sobre o livro:


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Mestre em Direito. Especialista em Ciências Penais. Advogado.
Continue lendo
ArtigosExecução Penal

Privatização das penitenciárias: precarização ou solução?

ArtigosTribunal do Júri

Meu cliente foi condenado com uniforme do sistema penitenciário. O júri pode ser anulado?

ArtigosDireito Digital

Projeto anticrime aprovado na Câmara altera pena para ofensas nas redes sociais

ArtigosDireito Penal

Todo ato sexual praticado com menores de 14 anos é criminoso? (Parte 2)

Receba novidades em seu e-mail