- Publicidade -

Advogada é resgatada em situação análoga à escravidão

- Publicidade -

Na última terça-feira (04/05), após denúncia anônima, uma advogada foi resgatada em uma chácara, localizada em Água Clara (MS). Conforme informado pelos agentes policiais, a vítima foi ao local depois de receber uma proposta de emprego em um suposto escritório de advocacia, mas confirmou que sofreu agressões e nunca foi paga pelos serviços prestados.

- Publicidade -

Advogada é resgatada

Segundo o delegado responsável pela investigação, Felipe Madeira, o escritório nunca saiu do papel e a mulher foi mantida trabalhando em situação análoga a de escravidão por seis meses, em uma chácara”. A advogada é de São Paulo mas morava na Bahia no momento em que recebeu a proposta.

A autoridade policial ainda relata que, conforme depoimento da advogada, o proprietário da chácara teria batido nela com um porrete em um surto violento”. A vítima chegou a mostrar fotos ao delegado que identificam hematomas em seu braço. No depoimento, a advogada detalha que o proprietário do local

era extremamente agressivo, sendo que passava o dia inteiro proferindo xingamentos, e em um episódio recente teve um surto de raiva, utilizando um porrete para quebrar o vidro de uma caminhonete e golpeando a vítima no antebraço com a arma branca.

- Publicidade -

Apesar dos fatos noticiados, o investigado não foi preso em flagrante. Disse o delegado:

Um inquérito foi aberto, mesmo que seja evidente a situação, temos que investigar. A vítima foi afastada e está em segurança.

- Publicidade -

Diante disso, a investigação deve apurar a possível prática do crime de redução à condição análoga à escravidão e lesão corporal grave, punidos com pena de 2 a 8 anos e  1 a 5 anos, respectivamente.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais

Leia mais:

- Publicidade -

Entenda como identificar uma prisão ilegal e como agir diante disso


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais