- Publicidade -

Advogado e promotor quase chegam às vias de fato durante júri

- Publicidade -

Promotor e advogado trocaram palavras duras e quase vieram às vias de fato em meio a audiência realizada na 2ª Vara do Tribunal do Júri, em Campo Grande, no MG.

- Publicidade -

Em meio à defesa, o advogado fez comparações entre a vida pessoal do próprio promotor e a do acusado. O promotor, já exaltado, interrompeu a defesa fazendo ilações sobre a moral do advogado. A discussão escalonou na falta de urbanidade e se encerrou com o magistrado oficiando à OAB-MS e ao MP-MS sobre o ocorrido.

O caso tratava da acusação de um entregador de farmácia, que teria matado um colega de trabalho depois de discutirem por mensagens de aplicativo a respeito de falta ao trabalho e sobrecarga na jornada. O entregador disparou contra o colega com arma de fogo, mesmo depois de caído. Uma câmera de segurança captou a imagem do caso. O crime aconteceu em 13 de agosto de 2020 e foi tipificado como homicídio qualificado (art. 121, §2°, IV, do CP).

Na tentativa de mitigar os efeitos da eventual condenação, o advogado levantou fatos que desabonassem o réu. O profissional destacou que o entregador era um trabalhador esforçado, que cumpria jornada de cerca de 14 horas por dia e que a briga com o colega teria se estendido até o limite, quando o entregador, então, “perdeu a cabeça”.

Nesse contexto, o advogado teria feita a seguinte colocação se referindo ao promotor e ao juiz, respectivamente:

- Publicidade -

Dr. Douglas, nem todo mundo tem a vida que você tem, o salário que você tem, que o Dr. Aluízio tem. Ele mora na Moreninha. Onde você mora?

O promotor, incomodado com a citação, pediu a palavra e devolveu, comentando o seguinte sobre sua vida antes de passar no concurso para o MP-MS:

Tocava 8 horas por noite para ganhar 25 reais. Saía de carona com garçom e nunca na minha vida passou pela minha cabeça comprar uma arma ilegal para me defender. Não me meça pela régua do assassino que você está defendendo.

- Publicidade -

A discussão de seguiu até o ponto dos dois saírem de suas tribunas e começarem com acusações pessoais. O juiz, então, interveio e comentou:

Não fiz magistratura para separar briga de homem. No máximo, eu chamo a polícia, talvez.

- Publicidade -

O advogado do caso,

Leia também

STJ: no furto, qualificadoras e reincidência podem afastar a insignificância


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

- Publicidade -

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais