NoticiasDireito Penal

Advogado toma medidas jurídicas após vazamento de fotos de Marília Mendonça no IML

Fotos da autópsia da cantora Marília Mendonça foram vazadas na internet nesta quinta-feira (13). Marília faleceu em novembro de 2021 em um acidente aéreo na cidade de Piedade de Caratinga, em Minas Gerais.

Leia mais:

4 mistérios ainda não solucionados sobre o Massacre de Columbine

24 anos do Massacre de Columbine: as lições aprendidas por Sue Klebold com seu filho atirador

Por meio de nota, a equipe da cantora se pronunciou e ressaltou que o advogado já foi acionado para tomar providências sobre o caso das fotos do IML vazadas.

“Robson Cunha, advogado da cantora, já está em contato com as autoridades e irá tomar as devidas medidas para punir os responsáveis.”

A nota também suplica para que não compartilhem as fotos.

“Contamos com todos vocês para denunciar e não compartilhar o conteúdo.”

Confira a nota completa divulgada pela assessoria de Marília Mendonça após o vazamento das fotos

“Estamos todos chocados, só em imaginar a possibilidade de algo desta natureza existir, e de pessoas capazes de divulgar este tipo de conteúdo. Robson Cunha, advogado da cantora, já está em contato com as autoridades e irá tomar as devidas medidas para punir os responsáveis. Por aqui não só estamos pedindo, mas suplicando para que não compartilhem este material. Temos certeza que todos fãs ou não fãs de Marília Mendonça querem nutrir a imagem do sorriso largo da cantora, de sua voz marcante e de sua figura única em carisma e autenticidade. Contamos com todos vocês para denunciar e não compartilhar o conteúdo.

Começaram a circular em grupos de Whatsapp fotos exclusivas do Inquérito Policial que trata do acidente e da morte da cantora Marília Mendonça. A mãe da cantora, D.Ruth, preferiu não se manifestar com relação ao assunto, pedindo apenas que as pessoas tenham respeito e empatia e que entendam que há uma família que sofre toda vez que situações assim ocorrem.”

O advogado da família mostrou-se indignado com a situação, pois as fotos seriam documentos que constam em um inquérito policial totalmente sigiloso. Ele ainda ressaltou que tanto o Estado, que é responsável pela guarda deste tipo de documento, quanto os responsáveis, devem ser punidos na justiça.

Fonte: Metrópoles

Daniele Kopp

Daniele Kopp é formada em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) e Pós-graduada em Direito e Processo Penal pela mesma Universidade. Seu interesse e gosto pelo Direito Criminal vem desde o ingresso no curso de Direito. Por essa razão se especializou na área, através da Pós-Graduação e pesquisas na área das condenações pela Corte Interamericana de Direitos Humanos ao Sistema Carcerário Brasileiro, frente aos Direitos Humanos dos condenados. Atua como servidora na Defensoria Pública do RS.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo