Advocacia CriminalArtigos

A importante atuação do advogado no inquérito policial

advogado no inquérito policial

A importante atuação do advogado no inquérito policial

Com a intenção de auxiliar quem passou a trabalhar com advocacia criminal há pouco tempo, passando um mínimo de experiência adquirida em alguns anos como advogado criminalista, somados a um bom período de atuação como assessor de juiz de direito junto ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (sempre na área criminal), falarei, brevemente, sobre a atuação no inquérito policial.

Embora, em regra, os advogados criminalistas passem a atuar na defesa de seus constituídos apenas após estes serem denunciados, ou seja, já no processo criminal, a atuação na fase administrativa (inquérito policial) é possível e, em não raras vezes, fundamental para que a defesa obtenha êxito.

Por outro lado, sabe-se que, na maioria das vezes, ou o acesso ao inquérito policial não é obtido com facilidade, ou o advogado ingressa no inquérito já na fase final, quando já foram ouvidas as testemunhas e produzidos a maioria dos elementos informativos entendidos como necessários pelo delegado.

Quanto ao último ponto, geralmente o advogado passa a atuar já no final do inquérito porque é quando toma ciência da existência da apuração, pois o cliente é chamado para ser ouvido.

Pois bem. Em qualquer dos casos, ainda assim, importante o advogado se “habilitar” no inquérito, juntando procuração e, de acordo com o texto do artigo 7º, XXI, da Lei n.º 8.906/94, com redação incluída pela Lei n.º 13.245/16, requerer, sob pena de nulidade absoluta do interrogatório ou depoimento e, subsequentemente, de todos os elementos investigatórios e probatório dele decorrentes ou derivados, a plena assistência a seu cliente.

Importante salientar que, mesmo estando a investigação na fase final, é plenamente possível solicitar à autoridade policial a realização de diligências e oitiva de testemunhas.

Ainda, de acordo com o artigo 7º, XXI, “a” do Estatuto da Advocacia, pode (deve) o advogado apresentar razões e quesitos.

A apresentação de razões é uma forma de se prestigiar o trabalho da autoridade policial, pois se dá valor ao procedimento administrativo e, ao mesmo tempo, pode esclarecer situações aptas a influenciar no decidir do delegado(a).

Particularmente, ao ingressar no inquérito, costumo, com a juntada da procuração, protolocar petição nos seguintes termos:

Requer-se a juntada da procuração anexa, postulando, ainda, que seja possibilitado ao signatário assistir a seu cliente durante a apuração da infração, acompanhando todos os atos que venham a ser realizados (com as devidas notificações), juntando documentos, sugerindo diligências, bem como, ao final, antes do relatório, apresentando razões escritas.

Na referida petição, conforme se vê, há solicitação de que o advogado seja notificado de diligências que venham a ser realizadas e que possam ser acompanhadas pelo advogado, como, por exemplo, oitiva de testemunhas. Tal pleito se deve ao fato de que, no inquérito policial, comumente, o advogado não é notificado para nenhum ato, comparecendo na oitiva do seu cliente apenas por que o este lhe procurou.

Por fim, e como razão de ser  do presente escrito, deve aquele que está começando a atuar na área criminal saber que, embora o inquérito policial não vincule a decisão do Ministério Público (dono da ação penal), o não indiciamento do cliente, na pior das hipóteses (ou seja, mesmo que o cliente seja denunciado), já enfraquece uma hipotética acusação em processo criminal.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Flávio Karam Júnior

Advogado criminalista, Especialista em Ciências Penais e Pós-graduando em Direito Médico
Continue lendo
ArtigosExecução Penal

Atual situação da execução penal: injustiça ou impunidade?

ArtigosDireito Penal Previdenciário

Apropriação indébita previdenciária

ArtigosDireito Penal

Os cinco do Central Park: quando a Justiça falha

ArtigosTribunal do Júri

Como ocorre a votação no Tribunal do Júri brasileiro

Receba novidades em seu e-mail