- Publicidade -

Advogados são proibidos de portar eletrônicos em presídios de SC

A proibição de advogados portarem eletrônicos em presídios de Santa Catarina (SC) foi mantida por decisão proferida pela 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), entendendo que a medida de segurança não atentava contra a inviolabilidade do escritório de advocacia.

- Publicidade -

Entrada de advogados com eletrônicos em presídios

De acordo com o caso, uma instrução normativa da Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa estabeleceu determinadas regras para a entrada de advogados nas unidades prisionais. Diante disso, a OAB-SC ajuizou ação civil pública visando a revogação de alguns dispositivos da norma, como por exemplo, a que impedia o advogado de portar agendas, canetas, documentos ou objetos eletrônicos, além de proibir contato com o detento e exigir procuração para o atendimento ao cliente, com horários limitados.

Desse modo, por meio de antecipação de tutela, a 3ª Vara Federal de Florianópolis apontou que a mencionada instrução feria prerrogativas e direitos dos advogados, de modo que a antecipação foi concedida para que o Estado permitisse o contato com o cliente, revogasse a limitação de horários de atendimento e disponibilizasse a documentação solicitada pelo defensor no prazo de até 24 horas

Contudo, foi mantida a proibição do porte de aparelhos eletrônicos, uma vez que a autoridade judicial apontou que a prisão não poderia se tornar uma extensão do escritório de advocacia, evitando o uso de objetos que possibilitem

- Publicidade -

o transporte e ingresso de documentos ou instrumentos não afetos às questões que envolvem o preso e a prisão.

A OAB-SC, em recurso, apontou que o impedimento ao acesso a materiais eletrônicos voltados ao trabalho, dificultaria em demasia a atuação dos advogados.

Todavia, no TRF-4, a desembargadora relatora Vânia Hack de Almeida seguiu o entendimento proferido pelo juiz de piso, fundamentando a decisão que manteve a limitação no mesmo sentido. A decisão foi unânime.

Leia mais:

STJ: ausência de intimação para sustentação oral anula sessão de julgamento


- Publicidade -

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais