ArtigosDireito Digital

Aplicativo de relacionamento: arrisco um encontro?

Aplicativo de relacionamento: arrisco um encontro?

Procurar alguém virtualmente com o intuito de marcar um encontro romântico já não é mais um tabu. Antigamente, os sites de relacionamento existentes não traziam uma sensação de conforto ao usuário de que a pessoa que se estava conversando era, de fato, “aquela pessoa”.

Mas, com o passar do tempo e do desenvolvimento de novas tecnologias, os sites voltados para relacionamento passaram a exigir maiores informações dos usuários no ato do cadastro. Além disso, surgiram aplicativos especializados em promover encontros entre usuários desconhecidos.

E é sobre esses aplicativos que este artigo irá se voltar.

São inúmeros os apps existentes, mas o mais conhecido é o famoso TinderO Tinder surgiu em 2012, e sua aplicação cruza informações como as do Facebook, por exemplo, demonstrando pessoas que estão próximas geograficamente.

Assim, após o cadastro do usuário, ele consegue visualizar perfis de diversas pessoas, bastando deslizar o dedo sobre a tela (direita ou esquerda) para demonstrar interesse ou não.

Contudo, muitas pessoas que se cadastram em apps de relacionamento ainda possuem um certo receio de marcar um encontro “ao vivo” com a pessoa que está conversando. De fato, por mais que exista o cruzamento de informações e os dados do usuário visíveis, não se deve desconsiderar a hipótese de que a pessoa por trás daquele perfil pode sim ser alguém mal-intencionado.

Por isso, alguns cuidados devem ser tomados para que você não recaia nas mãos de um possível criminoso, e esses cuidados podem ser seguidos facilmente por qualquer um. Ser um pouco “stalker” antes de arriscar sair com alguém não é errado, pelo contrário, é o que deve ser feito.

Primeiro, é muito fácil descobrir um mentiroso. Hoje em dia, uma simples busca no Google retorna os dados de alguém, principalmente cadastro em redes sociais. Então, se as informações contidas no aplicativo forem divergentes das encontradas na rede mundial de computadores, desconfie.

Segundo e pouco utilizado, o buscador por fotos do Google. Pois bem, quando se busca por foto, ele demonstra exatamente o local em que foi retirado aquele arquivo. Vejamos um exemplo, buscando pela foto do Tinder:

aplicativo 01

Assim, caso seja inserido o nome do usuário e retorne outra pessoa, você já consegue saber se aquela foto foi retirada indevidamente de outro perfil.

Terceiro, após localizar o usuário nas redes sociais, repare em seu rol de amigos. Infelizmente, existem muitos criminosos sexuais dentro destes apps, e não custa confirmar se está tudo dentro dos padrões normais. Exemplo: não seria estranho um usuário de 30 anos apenas com o rol de amigos repleto de crianças?

Na sequência, cuidado ao marcar o encontro. Escolha um local exato e principalmente, público. É muito comum usuários fazerem convites como “vem para a minha casa”, “te encontro na frente do metrô X”, “te busco de carro na sua casa”, etc.

O grande problema das pessoas hoje é achar que nunca poderá acontecer nada de ruim com elas. Todos os dias pessoas arriscam as suas vidas para sentir essa adrenalina de sair do virtual para o real, e esquecem pontos básicos de segurança a qual os pais já alertavam desde a infância.

Esta inovação trazida pela internet e que facilita o relacionamento entre internautas é de fato incrível, e conta com muitos registros de usuários que até se casaram, contudo não se pode deixar para trás que todo cuidado é pouco.

Não estamos diante apenas de criminosos com fins sexuais, mas também de golpistas que buscam extrair dados sensíveis dos usuários através de perguntas extremamente pessoais, visando obter alguma vantagem financeira.

Ao final, saiba que todos os aplicativos de relacionamento contam com um espaço para denúncias, desde perfis falsos até de spam. Vejamos a tela do aplicativo Tinder:

aplicativo 02

Seguindo essas recomendações básicas, não existem problemas em encontrar alguém que se conheceu nos meios virtuais.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Fernanda Tasinaffo

Especialista em Direito Digital. Advogada.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fechar