- Publicidade -

Após 3 anos do acidente de trânsito, motorista que matou advogada é condenado

- Publicidade -

O homem que matou a advogada Carolina Albuquerque Machado foi condenado a 02 (dois) anos de reclusão, após 3 anos do acidente de trânsito que ocorreu na cidade de Campo Grande (MS). A Carteira Nacional de Habilitação do acusado também foi suspensa pelo prazo de 07 meses.

- Publicidade -

3 anos do acidente de trânsito

De acordo com a sentença proferida pelo magistrado Roberto Ferreira Filho, o conjunto probatório colhido nos autos demonstrou o

agir culposo do acusado, na modalidade de imprudência, o qual não agiu com o necessário e indispensável dever objetivo de cuidado, conduzindo veículo de considerável porte (camionete Nissan Frontier, de quase 2 t), em altíssima velocidade (quase o dobro do permitido para a via pública no qual se deu o evento) e em via pública arterial de intenso movimento.

Ademais, nos laudos periciais de trânsito, concluiu-se que o homem estava em alta velocidade no momento do acidente:

- Publicidade -

Foi atestado pelo laudo pericial de análise de conteúdo em arquivos de vídeo sem áudio associado, o qual indicou que a velocidade em questão estava compreendida entre 104 km/h e 130 km/h.

No mesmo sentido, a condenação foi corroborada pelos indícios de que o motorista

fazia conjuntamente com ultrapassagem perigosas, arriscadas, aliado ao fato de já registrar diversos envolvimentos em infrações de trânsito anteriormente, inclusive de condução de veículo automotor em excesso de velocidade.

- Publicidade -

Sendo assim, o juiz afirmou que os crimes de homicídio culposo e lesão culposa em acidente de trânsito ocasionaram,

indubitavelmente, culpa concorrente entre a conduta levada a efeito pelo réu com aquela da vítima fatal, culpa esta que, cuida bem fixar, não conduz à absolvição daquele, sendo incabível se falar, em sede de direito penal, ressalto, na figura da compensação de culpas.

- Publicidade -

Por fim, o magistrado fixou o regime semiaberto como inicial para cumprimento da pena.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais

Leia mais:

Entenda como identificar uma prisão ilegal e como agir diante disso


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

- Publicidade -

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais