• 2 de dezembro de 2020

As redes sociais no mundo do crime

 As redes sociais no mundo do crime

Por Anderson Figueira da Roza


Ninguém mais duvida da utilidade das redes sociais na vida do ser humano atualmente. Cuidadosamente planejadas e sempre em constante evolução, as redes sociais possuem como objetivos a aproximação de indivíduos e também de empresas ou instituições com o seu público, bem como a oportunidade de compartilhamento de ideias, fatos, e registros de participações das pessoas em qualquer evento e a qualquer hora. Porém, inevitavelmente, a utilização das redes sociais chega como um vetor muito importante nas investigações criminais.

Logicamente, não são as redes sociais o problema, mas sem dúvida nenhuma, hoje podemos perceber que qualquer pessoa pode registrar algum fato criminoso, e compartilhar esta situação com seus amigos, seguidores e ser disseminado com o público em geral.

Particularmente, observo, cada vez mais presente, fragmentos das redes sociais de investigados dentro de inquéritos policiais principalmente, mas também já presenciei Promotores de Justiça utilizarem dados das redes sociais de acusados para oferecerem denúncias, para sustentarem prisões preventivas e fatalmente, culminaram em decisões judiciais em desfavor dos titulares destas contas ativas das redes sociais.

Dentro tantos episódios mostrados praticamente no mesmo instante em que ocorriam, destaco alguns como a de um registro efetuado pelos assassinos de uma vítima, que como forma de impressionar não apenas os grupos rivais de uma disputa por tráfico de drogas, com o próprio telefone da vítima, fizeram imagens e publicaram nas redes sociais a sua decapitação.

Em paralelo, tenho atuação em casos de pessoas que estão presas e sendo investigadas por conta de fotos com outras pessoas suspeitas, que acabam sendo colocadas como participantes de uma organização criminosa, e fatalmente as investigações não registram suas participações nos fatos criminosos em questão, mas diante das imagens, acabam agrupadas com os demais suspeitos.

Nas últimas duas semanas, a sociedade brasileira como um todo assistiu e se mobilizou contra e a favor sobre o estupro coletivo de uma adolescente carioca. Sem entrar no mérito do acontecimento, mas evidentemente estes fatos só tomaram a devida proporção em função da publicidade feita na internet.

Então, é fundamental que as pessoas saibam fazer uma boa utilização das redes sociais, pois já se registram ocorrências de investigações criminais pela postagem de fotos, vídeos, e até mesmo de curtidas em publicações de “amigos”. E cada vez mais, estas postagens serão utilizadas pelo Estado em processos criminais.

AndersonFigueira

Anderson Roza

Mestrando em Ciências Criminais. Advogado.