Noticias

Atirador em escola no PR disse que ataque foi retaliação pelo período em que sofria bullying, afirma delegado

Ex-aluno planejou atentado a tiros em escola de Londrina como vingança por bullying

O delegado-chefe da Polícia Civil de Londrina, Fernando Amarantino Ribeiro, investiga o caso de um ex-aluno que planejou um atentado a tiros em uma escola na cidade, onde matou uma estudante e deixou outro em estado grave. Segundo o delegado, o atirador afirmou que o ato foi uma vingança pelo período em que sofria bullying na unidade escolar até 2014. “No pensamento dele, estaria retaliando aquele sofrimento”, disse Ribeiro. “Ele tinha essa ideia na cabeça há quatro anos. Ele comprou o revólver com tempo considerável, há um mês e meio, e comprou a machadinha no dia 10 de junho.”

Os policiais deixaram a escola Professora Helena Kolody, em Cambé (PR), onde foi realizado o ataque do ex-aluno. O suspeito utilizou um revólver calibre 38, comprado em Rolândia (PR), e entrou na escola com 50 munições e 7 carregadores, segundo o secretário de Segurança Pública do estado do Paraná, Hudson Teixeira. “O objetivo era entrar no colégio e matar o máximo de pessoas possível”, disse o secretário.

Leia mais:

Caso Madeleine McCann: Suspeito fez confissão aterradora

Atirador narra os fatos com naturalidade, segundo delegado

O delegado Ribeiro afirmou que o atirador narra os fatos “com muita naturalidade e muita lucidez”. Ao delegado, o ex-aluno informou ter sido diagnosticado com esquizofrenia e que passa por acompanhamento da Secretaria de Saúde de Rolândia, cidade vizinha onde mora. “Isso tudo vai ser averiguado, nomes dos profissionais, medicamentos. Ele alega que tem perturbações, vê pessoas e coisas e ouve vozes, são as palavras que ele utilizou.”

Testemunhas foram ouvidas pelo delegado Ribeiro

O delegado-chefe informou que seis pessoas foram ouvidas até o momento. Além dos policiais que fizeram a prisão em flagrante, depuseram o parente de um aluno que ajudou a conter o atirador e pessoas que podem ter ligação com o crime —podem ter auxiliado o jovem na gravação de vídeos para redes sociais.

Investigações continuam para esclarecer o caso

A Polícia Civil de Londrina e a Secretaria de Segurança Pública do estado do Paraná seguem investigando o caso para esclarecer as motivações do atirador e verificar se há outros envolvidos no atentado. As declarações do ex-aluno sobre sua condição de saúde e o tratamento que afirma receber também serão averiguadas para compreender melhor o contexto do ocorrido e tomar as medidas cabíveis.

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo