ArtigosExecução Penal

Audiência admonitória e seus consectários legais

admonitória

A própria etimologia da palavra admonitória remonta o seu uso no âmbito jurídico. De origem latina, a expressão quer dizer repreensão, aviso, advertência, ou seja, na ocorrência da aludida audiência, o juiz advertirá o agente de certas medidas o qual o mesmo deve cumprir, sob pena da regressão de regime do apenado.

O trâmite da audiência admonitória é bem simples, está disciplinado no art. 160 da Lei de Execução Penal (LEP) e consubstancia, após o trânsito em julgado da pena condenatória, na leitura pelo juiz das consequências em caso de cometimento de nova infração ou do descumprimento das condições impostas ao condenado.

Ainda, deverá atender a formalidades de presença na audiência admonitória, o juiz, o parquet, o réu e seu representante (advogado ou defensor público).

A sujeição a este tipo de audiência cabe ao atendimento dos ditames do artigo 77 da LEP, quais sejam: execução da pena privativa de liberdade, não superior a dois anos, em que o condenado não seja reincidente em crime doloso; a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e personalidade do agente, bem como os motivos e as circunstancias autorizem a concessão do beneficio; bem como não seja indicada ou cabível a substituição prevista no art. 44.

Atendidas as normas elencadas, é aplicado o então chamado sursis (suspensão condicional da pena). Este é um instituto que garante a liberdade sob condições judiciais que visam a ressocialização, repressão e prevenção do agente, permitindo que esse sob o conhecimento de tais condições lhe obriga a ser socialmente coerente, seja no âmbito familiar, bem como no profissional e convivência em sociedade.

Dentre as medidas a serem observadas, pode o juiz determinar, respeitados as quatro espécies previstas no Código Penal Brasileiro, as medidas do sursis simples, do especial, do humanitário ou do etário.

O sursis simples (art. 78 do CP), o condenado deverá cumprir todas as condições que lhe foram determinadas na sentença penal condenatória, no primeiro do prazo, deverá prestar serviços à comunidade, ou submeter-se a limitação de fim de semana.

O sursis especial (art. 78, §2º do CP), se o condenado tiver reparado o dano, salvo a impossibilidade de fazê-lo, e se as circunstancias do art. 59 lhe foram inteiramente favoráveis, o juiz poderá substituir a exigência da prestação de serviços à comunidade ou a limitação de fim de semana, pelas seguintes condições, aplicadas cumulativamente:

a) proibição de frequentar determinados lugares;
b) proibição de ausentar-se da comarca onde reside sem autorização do juiz; 
c) comparecimento pessoal e obrigatório a juízo mensalmente, para informar e justificar suas atividades.

Além dessas condições, poderá o juiz impor outras, nos termos do Art. 79 do Código Penal, desde que adequadas ao fato e a situação pessoal do condenado.

O sursis humanitário (Lei nº 9.714/98) permite ao condenado com problemas de saúde com uma pena não superior a quatro anos, ver concedida a suspensão condicional pelo período de 4 (quatro) a 6 (seis) anos.

Já o sursis etário (art. 77, §1º do CP) é aquele concedido ao maior de 70 (setenta) anos de idade, que tenha sido condenado a uma pena privativa de liberdade superior a quatro anos. Nesta hipótese a pena poderá ser suspensa de 4 (quatro) a 6 (seis) anos.

Noutro giro, no que tange ao não cumprimento das medidas impostas, a LEP deixa expresso em seu art. 161 que o réu que não comparecer injustificadamente, terá sua pena executada imediatamente, não havendo em que se falar em suspensão penal.

É claro que o descumprimento das condições não ocasiona a direta suspensão, ocorre antes a chamada audiência de justificação, afim de que o condenado tenha a chance de justificar seus motivos  do não cumprimentos das medidas.

Após a expiração do prazo da suspensão condicional da pena, sem que haja revogação do beneficio, nos termos do art. 82 do CP será declarada extinta a pena imposta ao condenado.

Ainda, importante sopesar que, conforme disposto no art. 161 da LEP, em não havendo êxito na intimação do réu pessoalmente para comparecimento em audiência monitória, a lei permite que o mesmo possa ser intimado por edital, respeitado o prazo de 20 (vinte dias), sem poder alegar cerceamento de defesa, senão vejamos:

AGRAVO EM EXECUÇÃO. AUDIÊNCIA ADMONITÓRIA. NÃO COMPARECIMENTO. AMPLA DEFESA OBSERVADA. INTIMAÇÃO POR EDITAL. Considerando que o apenado alterou o seu endereço sem prévia comunicação judicial, não restou localizado para comparecer à audiência admonitória. Realizadas tentativas para encontrá-lo, restaram inexitosas. Após, procedeu-se à sua intimação por edital, todavia, ainda assim não compareceu ao ato e teve convertida a sua pena restritiva em pena privativa de liberdade. Ampla defesa assegurada. AGRAVO DESPROVIDO. (Agravo Nº 70059539247, Quarta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Rogerio Gesta Leal, Julgado em 29/05/2014) (TJ-RS - AGV: 70059539247 RS, Relator: Rogerio Gesta Leal, Data de Julgamento: 29/05/2014, Quarta Câmara Criminal, Data de Publicação: Diário da Justiça do dia 11/07/2014).

Depreende-se de tal estudo, a importância de se orientar bem o réu ao comparecimento à audiência admonitória, vez que ela acarreta a imediata execução da pena, o que certamente, poderia ser evitado, com o cumprimento das condições impostas.

Autor

Doutorando em Direito Penal. Defensor Público. Professor de Direito.
Continue lendo
ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

ArtigosCrime, Arte e Literatura

Os Miseráveis e o princípio da insignificância

Receba novidades em seu e-mail