Noticias

Bandidos falsificam mais de 200 CPFs de idosos e lucram R$ 13 milhões fraudando benefício social

Nesta terça-feira, 23 de janeiro, a Polícia Federal (PF) deu início a uma operação com o objetivo de combater um grupo de bandidos, que estariam criando Cadastros de Pessoa Física (CPFs) para o recebimento do Benefício de Prestação Continuada ao Idoso. De acordo com a Polícia Federal, a fraude ocorre desde 2012.

Até o momento, foram cumpridos cinco mandados de prisão preventiva e 15 de busca e apreensão no Distrito Federal, Piauí e Goiás. Ao todo, a investigação identificou a criação de 268 CPFs falsos de pessoas com mais de 65 anos. Desses, 208 recebiam o benefício. A suspeita é de que o esquema fraudulento promovido pelos bandidos tenha causado R$ 13 milhões de prejuízo aos cofres públicos.

Bandidos falsificam mais de 200 CPFs de idosos e lucram R$ 13 milhões fraudando benefício social
Foto: Ascom/Polícia Científica

Leia mais:

Caso Marielle: quem é Domingos Brazão, homem apontado por Lessa como um dos mandantes da morte da vereadora

Ronnie Lessa delatou Domingos Brazão como um dos mandantes da morte de Marielle Franco, diz jornal

Após a investigação, a Justiça decretou o cancelamento de 151 benefícios ativos, que geravam prejuízo anual de R$ 2,7 milhões. Além disso, a decisão prevê bloqueio de imóveis, veículos e contas.

Como funciona o benefício obtido pelos bandidos?

O Benefício de Prestação Continuada (BPC), recebido pelo grupo de criminosos em meio ao esquema fraudulento, é previsto na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) e garante um salário mínimo mensal ao idoso a partir dos 65 anos.

Para ser contemplado pelo benefício, a renda por pessoa do grupo familiar deve ser igual ou menor do que 25% de um salário mínimo.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo