Noticias

Bolsonaro e aliados na mira da PF por suspeita de preparação de golpe de Estado!

Segundo investigações da Polícia Federal (PF) relacionadas aos eventos de 8 de janeiro, o então presidente Jair Bolsonaro (PL) teria recebido uma minuta para a realização de um golpe de Estado.

Este documento, elaborado por seus assessores, supostamente permitiria a prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, além do presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Bolsonaro
Foto: Andressa Anholete/Getty Images

Leia mais:

STJ faz história ao garantir prisão domiciliar para mulher transgênero em Santa Catarina

Flávio Dino defende STF e combate impeachment ‘injusto’ em discurso histórico

Entrega do documento e alvos da operação

A PF alega que Filipe Martins, ex-assessor especial para assuntos internacionais do governo Bolsonaro, e o advogado Amauri Feres Saad foram os responsáveis pela entrega do respectivo documento. Ambos são alvos da operação Tempus Veritatis, que ocorreu na quinta-feira, 8 de abril. A reportagem não conseguiu entrar em contato com os detidos, sendo o espaço aberto para possíveis manifestações.

Detalhes do documento e monitoramento de Alexandre de Moraes

De acordo com a PF, a minuta entregue a Bolsonaro tinha como objetivo a execução de um golpe de Estado, e detalhava supostas interferências do Poder Judiciário no Poder Executivo. Além disso, o documento, teria como alvo a prisão de diversas autoridades, incluindo os ministros do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e determinava a realização de novas eleições.

Prisões de aliados de Bolsonaro

Na operação, quatro aliados de Jair Bolsonaro foram presos: Filipe Martins, ex-assessor especial da presidência; Marcelo Câmara, coronel do Exército citado em investigações como a dos presentes oficiais vendidos pelo governo Bolsonaro e das supostas fraudes nos cartões de vacinação da família do ex-presidente; Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército; e Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército.

Fonte: Terra

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo