Noticias

Brumadinho: familiares contarão com uma Fundação; motivo vai te deixar chocado

Os familiares das vítimas da tragédia de Brumadinho, ocorrida em janeiro de 2019, irão contar com uma fundação para gerenciar o memorial construído em memória das vítimas. Na última quarta-feira (4), um termo de compromisso foi assinado pela Vale, pela Avabrum e pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), onde a mineradora ficou obrigada a depositar mais R$ 180 milhões para a conservação do espaço construído na cidade em homenagem às 272 vítimas fatais da tragédia. Além disso, a empresa não poderá usar o nome do Memorial para fins publicitários.

A assinatura do termo de compromisso pôs fim a um impasse entre os familiares das vítimas e a Vale sobre a gerência do monumento. Sem acordo, a abertura do espaço ao público, prevista inicialmente para janeiro deste ano, foi adiada. Agora, os familiares vão aguardar a criação da Fundação que vai gerir e governar o momumento para definir a nova data de inauguração.

A integrante do conselho fiscal da Avabrum, que perdeu o marido na tragédia de Brumadinho, Kenya Lamounier, falou sobre o impasse com a empresa Vale:

“A gente sempre entendeu que a Avabrum iria tomar posse do espaço e ali fazer o relato do crime a partir da nossa visão. A história é nossa, o Memorial vai trazer a história dos nossos. Se a história é nossa, a memória nos pertence. Mas percebemos que a Vale começou a fazer uma ingerência no local, agindo como se ela fosse governar aquele espaço e fazer um tributo aos funcionários que ela matou. Foi quando nós informamos para Vale que não era isso que a gente queria”.

Leia mais:

Caso Sophia: mensagens indicam que réu por morte mostrava caráter agressivo antes mesmo do crime

Ex-padrasto alega que matou jovem de 15 anos por medo que ela denunciasse abuso e gera revolta

Tragédia de Brumadinho: Assinatura de termo de compromisso põe fim ao impasse

O termo de compromisso determinou que a mineradora terá que efetuar depósito inicial de R$ 157.902.000,00 na conta da Fundação, em cinco parcelas anuais. Além disso, a Vale deve fazer aportes complementares anuais, em valores que variam de R$ 5 milhões a R$ 12 milhões, até que a fundação gere rendimentos suficientes para arcar com o custeio anual do Memorial, o que está previsto para acontecer até 2027.

A promotora de Justiça de Brumadinho, Ludmila Costa Reis, falou sobre as dificuldades na realização do projeto, e ressaltou a importância da Avabrum para o Memorial: “Viabilizar a concretização desse espaço foi um desafio. A resiliência e determinação de vocês foi fundamental para isso”.

Ao final da celebração do acordo, o procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Júnior, também falou sobre o trabalho realizado pelo MPMG frente ao crime, as consequências nas esferas cível e criminal da tragédia, bem como sobre a importância da concretização do Memorial: “Será um lugar de respeito, memória e lembranças. Mas também um espaço de reflexão para todos nós”.

Construção do memorial

O memorial foi idealizado pelos familiares da tragédia de Brumadinho ainda em 2019, e foi construído próximo ao ponto onde a barragem rompeu. O monumento, além de homenagear a memória das 272 vítimas do crime ambiental, guardará também segmentos corpóreos e tudo o mais que foi recolhido durante as buscas.

O projeto do memorial foi elaborado pelo arquiteto Gustavo Penna e escolhido pelos familiares das vítimas. A mineradora Vale arcou apenas com o financiamento da construção. Durante dois anos e meio, 540 pessoas trabalharam na obra.

Além de representantes da mineradora e da Avabrum, assinaram o Termo de Compromisso, como intervenientes, o procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Júnior, e as promotoras de Justiça de Brumadinho  Ludmila Reis e Vanessa Aparecida Gomes Barcellos.

brumadinho
Imagens do memorial. Foto: Rádio Itatiaia

Fonte: Aedas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo