ArtigosColunas EspeciaisPrerrogativas Criminais

Carga de autos: exceções do direito

carga de autos

Carga de autos: exceções do direito

Retirar em carga autos de processo é reconhecidamente uma prerrogativa profissional. Esse direito possui previsão expressa nos incisos XV (“ter vista dos processos judiciais ou administrativos de qualquer natureza, em cartório ou na repartição competente, ou retirá-los pelos prazos legais”) e XVI (“retirar autos de processos findos, mesmo sem procuração, pelo prazo de dez dias”) do artigo 7.º da Lei n.º 8.906/94.

O atual Código de Processo Civil também estabeleceu o acesso aos autos de processo como direito do advogado, conforme se verifica em seu artigo 107.

Sabe-se que algumas dificuldades eventualmente se fazem presentes quando do uso desse direito pelo advogado (algumas dessas já abordadas aqui, aqui e aqui), constituindo violações à prerrogativas que merecem o devido enfrentamento. Porém, há algumas situações em que o próprio Estatuto prevê que tais direitos não se aplicam, devendo o profissional ter ciência dessas exceções a fim de exercer a advocacia dentro daquilo que é previsto

O § 1º do artigo 7.º da Lei n.º 8.906/94 prevê as situações em que não se aplicam os incisos XV e XVI do mesmo artigo, sendo três as hipóteses: (1) quando se tratar de processo que tramite sob segredo de justiça; (2) “quando existirem nos autos documentos originais de difícil restauração ou ocorrer circunstância relevante que justifique a permanência dos autos no cartório, secretaria ou repartição, reconhecida pela autoridade em despacho motivado, proferido de ofício, mediante representação ou a requerimento da parte interessada”; e (3) quando penalizado nesse sentido o advogado que tiver deixado de devolver os autos no prazo legal.

Todas essas previsões possuem razão de assim serem, de modo que, quando presentes, não poderá o advogado levar do cartório os autos em carga – o que não significa que estará também impedido de realizar consulta junto ao balcão da secretaria.

A primeira exceção merece ser analisada apropriadamente, uma vez que não é pelo simples fato de um processo tramitar em segredo que o profissional, em todo e qualquer caso, não poderá realizar a carga dos autos.

Se assim fosse, o advogado que atua com direito de família, por exemplo, acabaria impedido de exercer sua função amplamente. A restrição atinge apenas os não habilitados no processo, ou seja, obviamente, os advogados constituídos pelas partes poderão realizar normalmente a carga de autos de processos que tramitem sob segredo de justiça.

A segunda hipótese de exceção ao direito de carga abarca tanto a situação na qual exista algum documento relevante no processo que justifique sua não retirada do cartório, quanto a de quando presente justo motivo para a permanência dos autos na secretaria. Conforme expõem VIEIRA e CERNOV (2016, p. 56):

o impedimento se refere à vista com retirada de autos fora do cartório, de tal forma que, ainda que haja nos autos tais documentos de difícil restauração, é garanta do advogado deles obter cópia e requerer que sejam autenticados pelo escrivão, quando necessário, pois foi excluído das ressalvas do § 1º do inc. XIV do art. 7º - que trata do direito de examinar os autos na repartição e obter cópias.

Assim, vale sempre ressaltar que uma coisa não significa outra: impedimento de carga de autos não veda o acesso do advogado ao feito.

Sobre a segunda parte da exceção prevista, a abertura de prazo em comum ou destinado à parte contrária são exemplos razoáveis desse impedimento que dispensam inclusive a aludida fundamentação concreta – essa que, entretanto, deve existir de maneira pormenorizada quando for o caso.

Finalmente, a terceira hipótese diz respeito ao impedimento de carga como forma de reprimenda. Essa penalidade é dada ao advogado que retira os autos do cartório e não os devolve no prazo previsto. Segundo o Estatuto, não basta a mera devolução com atraso para justificar a perda desse direito.

É necessário que haja intimação específica determinando a devolução do feito para que, somente então, seja possível atribuir a penalidade ao profissional. O § 4º do artigo 107 do Código de Processo Civil também prevê algo semelhante nesse mesmo sentido.

De qualquer forma, vale frisar que a penalidade diz respeito ao processo específico cujos autos não foram restituídos pelo profissional, além que o advogado continua tendo acesso ao feito mesmo com a reprimenda imposta, ou seja, “ainda que perca o direito de vista com carga, o advogado não perderá o direito de exame dos autos em cartório e obtenção de cópias” (VIEIRA e CERNOV, 2016, p. 57).

São essas as exceções previstas ao direito de carga de autos, as quais se justificam diante do contexto em que se situam, devendo o advogado conhecê-las para que saiba quando poderá, ou não, usufruir dessa sua prerrogativa profissional.


REFERÊNCIAS

VIEIRA, Hélio; CERNOV, Zênia. Estatuto, Regulamento Geral e Código de Ética da OAB: interpretados artigo por artigo. São Paulo: LTr, 2016.

Autor

Mestre em Direito. Especialista em Ciências Penais. Advogado.
Continue lendo
ArtigosDireito Digital

Projeto anticrime aprovado na Câmara altera pena para ofensas nas redes sociais

ArtigosDireito Penal

Todo ato sexual praticado com menores de 14 anos é criminoso? (Parte 2)

ArtigosProcesso Penal

O interrogatório judicial como meio de defesa

ArtigosDireito Penal

A pena em abstrato

Receba novidades em seu e-mail