ArtigosDireito Digital

Cartão com contactless é seguro?

Canal Ciências Criminais
cartão com contactless é seguro

Cartão com contactless é seguro?

Em 2013, surgiu uma nova maneira de realizar pagamento com cartão que não necessita da digitação de uma senha como forma de validação, sendo apenas necessário aproximá-lo do terminal de pagamento automático, mais conhecido como TPA.

No Brasil não era tão comum esta forma de pagamento que instituições como o Bradesco e o Original já ofereciam. Contudo, o Nubank quebrou essa barreira, e o contactless assumiu uma posição de maior interesse entre os usuários.

Afinal, o cartão com contactless é seguro?

Sabemos que sempre existirá a figura da fraude, principalmente quando se tratam de cartões como meio de pagamento. No entanto, a figura do contactless veio para transmitir maior segurança ao usuário para realizar uma compra, pois o cartão em tese não sai de sua posse. Além disso, é fácil utilizá-lo sem a necessidade da digitação de uma senha.

Inegável que a tecnologia por aproximação trouxe mais rapidez nas transações comerciais, mas como se dá a figura da segurança do titular e a proteção contra fraudes?

Pois bem, já havíamos visto nos jornais o golpe em que os criminosos, portando as famosas “maquininhas”, se valiam da distração das vítimas para aproximar o leitor dos bolsos de suas calças, pois em tese o cartão estaria guardado na carteira e assim facilitaria a confirmação da transação. O último carnaval trouxe ainda mais à tona esta fraude.

Esse ocorrido assustou os usuários, que se manifestaram nas redes sociais de forma negativa ao contactless, pois era muito fácil ser vítima de estelionato e consequentemente ter um prejuízo financeiro.

Como saber se o cartão com contactless é seguro

Assim, este artigo visa a esclarecer os pontos negativos, ou seja, as brechas que os criminosos se valem para aplicar as suas fraudes em desfavor da função contactless.

Primeiramente verifique o estado físico do TPA. Isso porque os criminosos estão danificando propositalmente a tela do leitor para que você, vítima, não identifique o valor digitado. A maioria dos casos são reportados ao órgão policial onde o cliente não verificou que efetuou o pagamento de R$ 2.000,00, quando, na verdade, era apenas R$ 20,00.

Em segundo lugar, em nenhuma hipótese forneça o cartão ao vendedor. O principal benefício do contactless é o cartão não sair da mão do titular, e, por isso, entregá-lo poderá ser um grande erro. Os criminosos são rápidos, e pode existir outro TPA que não esteja visível, mas que pode ser utilizado para capturar mais valores pelo cartão.

Antes de prosseguir, sabe-se que cada transação aprovada é enviada ao titular, e caso ocorra uma fraude, de imediato poderá ser verificado junto à instituição responsável. Contudo, não são todos os titulares que estão sempre atentos às transações realizadas, principalmente em dias de eventos, como o carnaval, por exemplo, ou em situações em que existe uma distração por parte do titular.

Prosseguindo, não se pode esquecer que os criminosos são bons de “lábia”, e entre uma conversa e outra que distrai a vítima, poderá o criminoso informar que a transação não foi aprovada, solicitando que novamente se aproxime o cartão. Não realize isso sem antes conferir o seu extrato, inclusive, em caso de aprovação da transação sempre solicite o comprovante de pagamento.

Essas são as principais recomendações para evitar uma fraude através de cartão com função contactless, mas, cada instituição poderá implementar mecanismos que protejam ainda mais.

E caso você se torne uma vítima, o que fazer?

Acione imediatamente a instituição financeira para solicitar o estorno. Além disso, verifique no extrato o nome que identifique o meio de pagamento (como Cielo, Mercado Pago, Pagseguro, etc.), e também entre em contato informando o ocorrido. Digo isso porque a empresa poderá verificar se o dinheiro consta ainda na conta do suposto vendedor para imediatamente bloqueá-lo, e, inclusive, serve como base para descredenciamento do mesmo de tal forma que ele não aplicará o golpe em outras pessoas.

Ao contrário dos modelos anteriores de cartões como a tarja e o salto para a função com chip que visavam exclusivamente prevenir fraudes, o cartão contactless veio com a função de estimular o crescimento das transações, e consequentemente movimentar a economia, dando mais facilidade ao consumidor. A tecnologia não está com outra função senão beneficiar sempre o destinatário final.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor
Especialista em Direito Digital. Advogada.
    Continue lendo
    Receba novidades em seu e-mail