casa

A Casa do Sol Nascente: a economia pautada na ilegalidade

Por

A Casa do Sol Nascente: a economia pautada na ilegalidade

A Casa do Sol Nascente (House of the rising sun) ficou especialmente conhecida pela interpretação da banda britânica The Animals, com o vocal rasgado de Eric Burdon levando ao mundo uma história que há tempos perambula pela cultura norte americana.

Interpretada por Hendix, Chuck Berry, Bob Dylan entre outros, a advertência ressaltada na música vem de longas datas e incita uma observação das particularidades da vida norte americana do final do século XVIII que se entendeu por todo o século sequente.

A origem da música é folclórica, assoviada aos cantos pelas regiões de Nova Orleans até que a partir de 1929 vários ritmos do blues passaram a regravar a canção folk de origem desconhecida.

Todavia, a real gênese da canção está mais ligada aos momentos trágicos que definiram a sociedade norte americana do que se imagina.

No auge da Guerra Civil Americana, em 1862, os jogos e a prostituição eram ilegais e os estabelecimentos que propiciavam estas atividades cresciam informalmente, disseminando seus serviços por uma Nova Orleans que se estendia além das percepções de seus cidadãos.

É importante esclarecer que, situada na foz do rio Mississipi, a atividade portuária era significativa e o grande movimento de pessoas desconhecidas e aventureiros que lá desembarcavam para o comercio geravam a cultura do local e a estabeleciam como sendo a mais inclusiva das cidades américa adentro.

Só que por volta de 1862 o exército confederado ocupou a cidade, rendendo suas defesas e fazendo daquele local moradia para seus soldados, muitos deles se estabeleceram na cidade após a guerra, outros se perderam nas luxurias das “casas do sol nascente. ”

Na cidade haviam inúmeros estabelecimentos escondidos que levavam o nome Rising Sun, onde o jogo e as atividades de prostituição atraiam os soldados e os viajantes que desembarcavam no porto e para lá rumavam em busca de suas aventuras.

Há ainda relatos que datam de 1890, citados por Eric HOBSBAWM em sua História Social do Jazz, que confirmam a existência de um salão local que possuía as características de uma associação benevolente, onde aulas de música e dança eram ensinadas aos moradores e aos visitantes.

Esses salões espalhados por Nova Orleans são considerados o berço do jazz e muitos encontros eram realizados em suas sedes para a difusão do som que surgia com força.

Como eram inúmeros visitantes advindos de locais distantes e que se aventuravam no comercio pelas bandas de Nova Orleans, por seu porto atrativo e suas rotas que se abriam ao mundo do mercado, o Salão benevolente da cidade passou a ser reconhecido e há a grande possibilidade de que os jogos e a prostituição tenham ocorrido em suas áreas secundárias, sempre abundante em números de visitantes.

Esse salão possuía o nome de Salão do Sol Nascente ou Rising Sun.

Interessante entender que a economia da pequena cidade era baseada em seu precário, mas atuante e eficiente porto, que abriu as portas para o mundo do negócio e da interação com os diferentes.

Nesse ponto, as atividades consideradas ilegais pelas leis locais, da maioria estabelecida e dos ditames morais que regravam a sociedade daquela época eram as grandes incentivadoras dos marujos, soldados e daqueles aventureiros de passagem pela cidade.

Todas as atividades da Rising Sun eram ilegais, desde a venda de bebidas até a prostituição, o que tornou a casa como a mais procurada da região.

Não é falácia considerar que a economia crescente no centro da multicultural Nova Orleans daquela época foi formada por buscas pelas Casas do Sol Nascente, espalhadas pelo local, consideradas ilegais e imorais, entendidas pelo direito penal como organizações criminosas que devem sofrer sanções e punições.

Fato que rendeu a famosa canção folclórica.

Consta em um relato de 2004, feito por arqueólogos que buscavam artefatos dos nativos americanos no local onde um incêndio que há muito tempo havia destruído um grande hotel em Nova Orleans, próximo ao porto, inúmeras peças não indígenas foram identificadas; segundo o arqueólogo Shannon Dawdy que disse ter encontrado “toneladas de peças de garrafas quebradas e potes vermelhos de maquiagem”, bem como, pedaços de roupas femininas e “tudo o que lembraria um bordel. ”

De fato, House of the rising sun não é apenas uma canção que conta a história de um adolescente que perdeu tudo o que tinha, sua juventude, sua força e todo o seu dinheiro em um bordel de Nova Orleans e que adverte aos outros o risco das artimanhas que podem prender qualquer um na Casa do Sol Nascente.

Ela significa a própria história do crescimento da cidade mais populosa do Estado da Luisiana e como atividades consideradas ilegais à época como a venda do álcool e a prostituição não são mitigadas, embaraçadas, obstaculizadas ou prejudicadas pelo direito penal, pela moral ou por qualquer outra força contrária à pulsão humana.

De qualquer forma essa pulsão irá encontrar um jeito para socorrer seus desejos, seja por bebida, drogas ou vícios diversos; e não há nada que o direito penal possa fazer a respeito.


REFERÊNCIAS

HOBSBAWM, Eric J. A história social do jazz. Paz e Terra, 2008

House of the rising sun

There is a house in New Orleans, They call the Risin’ Sun, And it’s been the ruin of many a poor boy. And God, I know I’m one. My mother was a tailor. She sewed my new blue jeans. My father was a gamblin’ man. Down in New Orleans. Now, the only thing a gambler needs

Is a suitcase and a trunk And the only time that he’s satisfied, Is when he’s all a-drunk.

Oh, Mother, tell your children Not to do what I have done. Spend your lives in sin and misery In the house of the risin’ sun. Well, I’ve got one foot on the platform. The other foot on the train. I’m goin’ back to New Orleans To wear that ball and chain. Well, there is a house in New Orleans, They call the Risin’ Sun, And it’s been the ruin of many a poor boy. And God, I Know I’m one.

Tradução: A Casa do Sol Nascente

Há uma casa em Nova Orleans, eles a chamam de Sol Nascente, e tem sido a ruína de muitos pobres garotos, e Deus, eu sei que sou um. Minha mãe era uma costureira, ela costurou meu jeans novo, meu pai era um homem do jogo em Nova Orleans.

E a única coisa que um jogador precisa é uma maleta e um tambor, e a única hora que ele estará satisfeito, é quando ele está podre de bêbado.

Oh mãe, aconselhe seus filhos a não fazerem o que eu fiz; desperdiçar suas vidas no pecado e miséria na Casa do Sol Nascente, bem, estou com um pé na plataforma e o outro no trem, eu estou indo de volta para Nova Orleans para usar aquela bola e correntes. Há uma casa e Nova Orleans, eles a chamam de Sol Nascente e tem sido a ruína de muitos pobres garotos, e, Deus, eu sei que sou um.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Sobre os Autores

Deixe seu comentário

comentários