Noticias

Primeiro ano de Daniel Alves na prisão foi marcado por contradições, indenização e exposição da vítima

Apesar da solicitação de uma pena de 12 anos de prisão, há uma tendência de que, se condenado, Daniel Alves cumpra no máximo seis anos atrás das grades. Isso se deve ao fato de que, no início do processo judicial, a defesa do jogador compensou a denunciante com 150 mil euros (cerca de R$ 800 mil). A advogada da mulher, entretanto, contesta a possível redução da pena.

Mudanças na versão de Daniel Alves

O Ministério Público requisitou ainda dez anos de liberdade vigiada após o cumprimento da pena, além da proibição de Daniel Alves se aproximar da suposta vítima e de se comunicar com ela pelo mesmo período. Durante o período detido, o jogador modificou sua versão do caso várias vezes, trocou de defesa e teve três pedidos de liberdade provisória negados, com a Justiça apontando risco de fuga. Veja a cronologia do caso:

Leia Mais:

Polícia recupera relógio de R$ 1 milhão roubado de médico do Lula em assalto a mão armada

Anistia para presos do 8/1: veja quais políticos lutaram pelo perdão dos crimes cometidos em Brasília

Início do caso e prisão de Daniel Alves

daniel alves 3
Primeiro ano de Daniel Alves na prisão foi marcado por contradições, indenização e exposição da vítima 3

O caso ganhou destaque na imprensa espanhola no final do ano anterior. Em 31 de dezembro de 2022, o jornal catalão ABC revelou que Daniel Alves teria cometido violência sexual contra uma jovem na casa noturna Sutton, em Barcelona. A Justiça espanhola aceitou a denúncia em 10 de janeiro, resultando na prisão do jogador em 20 de janeiro. Ele foi encaminhado para o Centro Penitenciário Brians 2, e o Pumas anunciou sua demissão.

Em fevereiro, imagens das câmeras de segurança mostram momentos suspeitos na casa noturna, e resultados forenses indicam a presença de Daniel Alves nos vestígios coletados. O jogador contratou Cristóbal Martell, renomado advogado, para defendê-lo.

Separação de Joana Sanz 

Joana Sanz anuncia a separação nas redes sociais, enquanto Daniel Alves enfrenta dificuldades na prisão, incluindo um suposto esquema de venda de camisas autografadas e em Abril, Daniel Alves presta novo depoimento, admitindo a penetração, mas alegando consentimento. Ele tenta obter liberdade provisória, levando a ex-mulher e filhos para a Espanha, mas o Ministério Público pede a manutenção da prisão preventiva.

Daniel
Imagem: UOL

Rotina na prisão e admissão de crime sexual

Detalhes da rotina de Daniel Alves na prisão são divulgados em maio e junho e ele estuda assumir o crime em troca de ressarcimento à vítima. Novo pedido de liberdade é negado, e ele tem o terceiro recurso rejeitado.

Detalhes do depoimento de Daniel Alves são revelados, e ele desiste de novo recurso, tornando-se réu e buscando acelerar o julgamento.

Carta de Joana Sanz

Em setembro, Joana Sanz divulga carta ambígua, desiste da separação e volta a morar com Daniel Alves. Este troca de advogada, escolhendo Inés Guardiola.

Envio ao julgamento e pedido de prisão máxima

Daniel Alves é enviado formalmente a julgamento, com o Ministério Público pedindo nove anos de prisão. Joana Sanz nega intenção de divórcio, enquanto a denunciante volta atrás e decide não abrir mão da indenização. A acusação pede a pena máxima de 12 anos de prisão em dezembro, e o julgamento é confirmado para fevereiro de 2024.

Recentemente, a mãe de Daniel Alves, Lúcia Alves, compartilhou um vídeo nas redes sociais expondo a identidade da mulher que denuncia o jogador por agressão sexual.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo