Noticias

Caso Rafael: MP solicita e justiça eleva em oito anos pena de mãe condenada pelo assassinato do filho

Alexandra deverá cumprir mais de 30 anos de prisão pela morte do filho

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul aceitou o recurso interposto pelo Ministério Público e aumentou em oito anos a pena de Alexandra Salete Dougokenski, 35, condenada em janeiro pelo assassinato do filho, Rafael Mateus Winques, de 11 anos.

Inicialmente, Alexandra foi condenada pelo tribunal do júri a uma pena de 30 anos e dois meses de reclusão, e mais seis meses de detenção a serem cumpridos inicialmente em regime fechado. Após o recurso do MP, a 2ª Câmara Criminal do TJ-RS aumentou a pena para 38 anos, cinco meses e 10 dias de reclusão, além de oito meses de detenção, mantendo o regime inicial fechado. 

Leia mais:

Polícia conclui investigações e Daniel Alves será julgado pelo crime de agressão sexual na Espanha

Homem acusado de abuso infantil em massa choca a Austrália: 91 meninas vítimas

Defesa irá recorrer aos tribunais superiores

Na decisão do tribunal, os desembargadores entenderam que o pleito ministerial de que havia no caso em questão a existência da qualificadora do motivo fútil. Com isso, houve o aumento da reprimenda. Na mesma decisão o TJ-RS também negou o pedido da defesa de anulação do júri, que defendeu a existência de nulidades durante a sessão de julgamento.

“Tocante ao mérito, analisando os elementos constantes dos autos, observa-se que a decisão dos jurados não pode ser considerada como manifestamente contrária à prova dos autos, encontrando amparo em segmento do conjunto probatório, tornando inviável a renovação do julgamento da ré. Nesse sentido, os jurados decidiram em conformidade com a tese acusatória, que encontra respaldo nas provas material e testemunhal colhidas, inclusive no que diz com o reconhecimento das qualificadoras imputadas contra a apelante, pelo delito de homicídio consumado e demais crimes, diz trecho da decisão.

O advogado responsável pela defesa de Alexandra, Jean Severo, afirmou em nota que a “defesa respeita a decisão do tribunal”, mas que irá aos tribunais superiores no objetivo de reduzir a pena ou anular o julgamento.

Relembre o caso Rafael

Rafael Mateus Winques tinha11 anos quando desapareceu no dia 15 de maio de 2020 em Planalto, norte do estado do Rio Grande do Sul, onde residia com a mãe e o irmão. O caso mobilizou a comunidade, que passou a realizar buscas por Rafael na região.

Dez dias depois do sumiço do filho, Alexandra confessou que havia o matado e indicou à polícia o local onde estava o corpo de Rafael. O corpo do garoto foi encontrado dentro de uma caixa de papelão na área de uma casa, a poucos metros de onde a família morava.

Ao longo do processo, Alexandra apresentou diferentes versões para o crime. Em uma das mais recentes, no Judiciário, negou ter sido a autora e apontou o pai de Rafael como o responsável pelo crime. O menino teria sido morto com uma corda de varal, que foi enrolada ao pescoço dele.

O pai chegou a ser investigado durante a apuração, mas a polícia apontou que ele não estava em Planalto no momento em que teria acontecido o crime. Para as autoridades, Alexandra dopou Rafael com medicamentos e depois o asfixiou dentro do quarto dele.

rafael
Imagem: Rádio Progresso de Iujuí

Fonte: GZH

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo