Noticias

Caso Randy Herman Jr: conheça a história do assassino sonâmbulo

Randy Herman Jr: Desvendando o Enigma do Assassino Sonâmbulo

Em um caso jurídico intrigante, Randy Herman Jr. foi condenado por assassinato em primeiro grau após a morte brutal de Brooke Preston, sua amiga desde a infância. Herman tentou alegar que o crime ocorreu durante um episódio de sonambulismo, um fato que tem uma longa história em sua vida, conforme afirmado tanto por ele quanto por sua defesa. No entanto, a tese não foi suficiente para absolvê-lo e Herman foi condenado à prisão perpétua.

Randy Herman Jr. possui um histórico de automedicação com álcool e já foi condenado por dois crimes de dirigir sob a influência de álcool (DUIs). Isso, combinado com sua falta frequente de um sono adequado, foram apontados por sua defesa como elementos que poderiam ter desencadeado o episódio de sonambulismo em que matou Brooke. Não bastasse, Brooke estava se preparando para deixar a casa que compartilhava com Herman para morar com o namorado.

Randy Herman
Imagem: reprodução/ The Ledger

LEIA MAIS:

Lavagem de dinheiro: quadrilha usou igreja e loja maçônica para movimentar R$ 2,5 milhões

Flávio Dino no STF: ministro diz que já tem votos suficientes para aprovação

O depoimento da defesa

Em seu julgamento, Herman se declarou inocente alegando insanidade, atribuindo o sonambulismo como a aflição psicológica responsável por suas ações. A defesa de Herman convocou o Dr. Charles Patrick Ewing, psicólogo forense, que em seu depoimento apresentou a complexidade das condições que poderiam levar uma pessoa a cometer uma ação violenta durante o sonambulismo. Segundo Ewing, é geralmente necessário algum tempo para que uma pessoa entre em uma fase de sono profundo, estado em que é mais comum a pessoa começar a sonambular. Todavia, a possibilidade de alguém atingir este estágio de sono de forma instantânea, principalmente quando combinados o consumo de álcool e a privação de sono, como no caso de Randy, não é descartada.

As memórias de Randy Herman

Randy Herman alegou que estava falando com Preston poucos minutos antes do assassinato e a memória mais recente que ele tinha depois disso foi de acordar em sua cama após esfaqueá-la até a morte. Ele sustentou que acreditava que isso seria parte de um sonho. A discussão levantada pelo documentário “Dead Asleep“, disponível na plataforma Hulu, sugere que a memória de Randy estando acordado antes do assassinato poderia ter sido um sonho ou uma construção mental.

Randy Herman
Imagem: reprodução/ Miami New Times

Por que Randy foi condenado?

Apesar das alegações e defesas, a chave para a condenação de Herman veio justamente da construção da linha do tempo dos eventos apresentados ao júri. Os jurados não acreditaram que Herman poderia ter entrado em um sono profundo novamente logo após ter falado com Brooke. Este fato colocou em xeque a teoria do sonambulismo. A conclusão foi de que Herman estava acordado na hora do crime, e não sonambulando como alegado.

Aos 28 anos, Randy Herman Jr. segue cumprindo pena de prisão perpétua. Recentemente, requisitou um novo julgamento, argumentando que a definição de sonambulismo como uma doença mental foi um erro de sua defesa.

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo