Legislação

CCJ da Câmara aprova inclusão de princípio da insignificância no Código Penal

CCJ da Câmara

CCJ da Câmara aprova inclusão de princípio da insignificância no Código Penal

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que inclui o princípio da insignificância no Código Penal. O PL 6667/2006, que agora segue para análise do Plenário, define que não será considerado crime quando o agente pratica fato cuja lesividade é insignificante, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal.

Em síntese, o juiz terá que observar quatro condições para reconhecer a insignificância da ação:

  1. a mínima ofensividade da conduta do réu;
  2. a ausência de periculosidade social da ação;
  3. o reduzido grau de reprovabilidade do comportamento; e
  4. a inexpressividade da lesão jurídica cometida.

Uma vez aprovado o projeto, o art. 22 do Código Penal passará a ter a seguinte redação:

Exclusão de Tipicidade

Art. 22. Salvo os casos de reincidência, ameaça ou coação, não há crime quando o agente pratica fato cuja lesividade é insignificante.

Confira a seguir a justificação do projeto:

O Direito Penal tem por fim precípuo definir as condutas humanas mais reprováveis ocorridas em uma sociedade, estabelecendo penas e medidas de segurança aos seus infratores. Assim, não se pode definir como infração penal toda e qualquer conduta, mas somente aquelas que atinjam os bens jurídicos de maior importância e vitais ao convívio em comunidade e que devem ser protegidos por esse ramo do ordenamento jurídico.

Nesse sentido, o Direito Penal somente deve agir até onde seja necessário para a proteção do bem jurídico, não se ocupando de bagatelas. Decorre daí o Princípio da bagatela ou da Insignificância que pode ser conceituado como sendo aquele que permite afastar a tipicidade de fatos causadores de danos de pouca ou nenhuma importância. Dessa forma, não merecem a atenção do Direito Penal.

O princípio da insignificância possibilita que a jurisdição penal considere os delitos de bagatela como sendo fatos atípicos, posto que são irrelevantes e, por conseguinte, destituídos de qualquer valoração a merecer tutela penal. São ações aparentemente típicas, mas de tal modo inexpressivas e insignificantes que não merecem a reprovabilidade penal.

Desse modo, conclui-se que o princípio da insignificância é um critério geral interpretativo de exclusão da tipicidade. É uma máxima orientada ao exegeta que ao analisar a tipicidade deve verificar se o dano afetou significativamente o bem jurídico a ponto de ser imprescindível a aplicação de reprimenda penal.

Ocorre, porém, que a despeito de sua inequívoca importância para a aplicação do direito penal, o princípio da insignificância não consta de nenhum diploma legal do sistema jurídico brasileiro. Destarte, salutar seria, a inclusão da máxima, ora em comento, no texto do Código Penal brasileiro. É nesse sentido que elaboramos a presente proposta legislativa.


Clique AQUI para ler a íntegra do projeto.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.
Continue lendo
LegislaçãoNoticias

Projeto de lei prevê gravação, em áudio e vídeo, dos depoimentos no inquérito policial

LegislaçãoNoticias

Projetos de lei sancionados por Bolsonaro alteram a Lei Maria da Penha

LegislaçãoNoticias

Projeto de lei torna crime a apropriação indébita de veículos locados

LegislaçãoNoticias

Projeto de lei proíbe visita íntima e saída temporária do encarcerado

Receba novidades em seu e-mail