ArtigosDireito Penal

Coação moral irresistível e culpabilidade

Coação moral irresistível e culpabilidade

A ideia de culpabilidade, no sentido de reprovabilidade pessoal de uma conduta ilícita, deve-se a Berthold Freudenthal, com a obra “Culpabilidade e Reprovação em Direito Penal”, publicada em 1919 e considerada fundamental para a concepção normativa da culpabilidade.

Analisada subjetivamente, de acordo com a conduta ilícita praticada, é destinada a atribuir responsabilidade penal, autorizando o Direito Penal a imputar a pena ao fato típico e ilícito.

Para a correta caracterização da culpabilidade, devem estar presentes alguns requisitos, sejam eles, a imputabilidade, a potencial consciência da ilicitude e a exigibilidade de conduta diversa.

Com relação à exigibilidade de conduta diversa, para que uma ação seja reprovável é imprescindível a possibilidade de exigir uma conduta diversa da ação ilícita que foi praticada pelo agente, sendo que o autor podia e devia adotar outra conduta de acordo com o ordenamento jurídico.

A exigibilidade de conduta diversa está disposta no art. 22 do Código Penal, segundo o qual:

Se o fato é cometido sob coação irresistível ou em estrita obediência a ordem, não manifestamente ilegal, de superior hierárquico, só é punível o autor da coação ou da ordem.

Deste modo, a coação moral irresistível é uma das causas de exclusão de exigibilidade de conduta diversa. Por consequência, causa de inculpabilidade.

Disposta da primeira parte do art. 22 do Código Penal, a coação moral irresistível trata-se de grave ameaça, onde a vontade do autor não é livre (vis compulsiva). Difere da coação física irresistível, onde não existe uma vontade e o agente não tem domínio da conduta (vis absoluta), neste caso exclui a ação, configurando atipicidade penal.

A exemplo, obrigar fisicamente o coacto a amarrar e imobilizar o aviador, impedindo-o de administrar e coordenar o avião. Já na coação moral irresistível, existe uma vontade, entretanto é uma vontade viciada.

A exemplo, o pai que, tendo seu filho sequestrado, é coagido a assaltar todo o dinheiro de sua agência bancária, caso contrário o coator matará seu filho.

Nessa situação, o coacto tem duas opções: ou subtrai o dinheiro da agência ou aceita a morte de seu filho. Portanto, não existe a possibilidade de exigir uma conduta diversa, excluindo a culpabilidade.

A coação moral irresistível apresenta alguns requisitos, dente eles, a irresistibilidade da coação, onde o coagido não tem possibilidade de evitar o constrangimento, a uma ameaça grave, certa e inevitável.

Por meio da coação moral irresistível, o coator obriga o coagido a praticar um delito contra um terceiro (a vitima) e o coagido é impossibilitado de resistir a tal ameaça. Como a conduta ilícita se desenrolou sob forte pressão moral e psicológica do coator, exclui a culpabilidade do coagido.

Cumpre ressaltar que na coação física irresistível não há conduta penalmente relevante. Desse modo, não há tipicidade, nem crime. Na coação moral irresistível existe a tipicidade, entretanto não há a culpabilidade, ficando o coagido ou coacto isento de pena.

Nos casos de coação resistível, seja física ou moral, não isenta o agente de pena, mas ocorre à atenuação da pena, conforme artigo 65, III, alínea c, do Código Penal.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Lhais Silva Baia

Graduanda em Direito Centro Universitário Integrado de Campo Mourão (PR)

ARTIGOS RELACIONADOS

Fechar