• 23 de outubro de 2020

Como não cair no golpe do delivery

 Como não cair no golpe do delivery

Como não cair no golpe do delivery

O golpe do delivery já foi amplamente exposto em diversos canais informativos. Grandes players de notícias expuseram a prática e auxiliaram vítimas que, infelizmente, tiveram prejuízos financeiros com esta ação tão corriqueira e que se intensificou na pandemia.

Pedir entrega de comida faz parte de nossas vidas. Quem nunca ligou e pediu aquela pizza em um sábado à noite? De repente, nos vimos diante de uma grande mudança tecnológica com relação à alimentação, onde tudo, literalmente tudo, pode chegar na porta da sua casa.

Antes, você solicitava uma pizza e aguardava a campainha tocar e, quando tocava, saia correndo para buscar. Hoje, você acompanha em tempo real o status do seu pedido, se o restaurante está preparando o seu pedido, se o seu pedido está finalizado, o nome do entregador e a placa do veículo, o seu deslocamento do estabelecimento até a sua casa e, ainda, um chat para que você converse tanto com o entregador quanto com o estabelecimento.

Olha a mudança radical nas nossas vidas em questão de pouquíssimos anos!

Mas, como tudo que envolve a tecnologia acaba atraindo pessoas mal intencionadas, o setor de entrega de comidas via delivery não ficou de fora. Muito pelo contrário: com uma simples busca na internet hoje você consegue enxergar como funciona o golpe do delivery, mas vou expor novamente em poucas palavras para que posteriormente você entenda onde vamos chegar.

Você solicita uma comida via app, realiza o pagamento por lá através de seu cartão de crédito, criptografado e seguro para que nenhum invasor identifique os números. Sim, o símbolo * significa que o número que você digitou foi salvo e está blindado de qualquer acesso fraudulento.

O seu pedido chega e o entregador informa que você precisa realizar o pagamento, expõe inúmeras informações e você cede, insere seu cartão e não verifica o valor exposto no leitor, seja por uma distração que o próprio entregador faz, seja por algum defeito feito propositalmente no visor que não permite enxergar.

Dias depois, ao tentar comprar algo no mercado, padaria etc., seu cartão é recusado e bingo, seu extrato mostra uma compra de R$ 5.000,00, mas calma, você tem certeza de que pagou R$ 50,00 certo? Infelizmente não. Mais uma vítima, com um longo percurso para conseguir o dinheiro de volta.

Você tenta contato com o aplicativo, ele se recusa a reembolsar dizendo que não efetua cobranças pelos entregadores, e que você devia ter recusado pagar. Você entra em contato com a operadora de seu cartão, e ela se recusa a devolver pois você digitou a sua senha confirmando a transação. E agora? Um processo judicial, no mínimo.

Vamos expor as responsabilidades de ambos para que você entenda melhor o que deve conter um processo judicial. Cabe ao aplicativo de delivery selecionar seus entregadores de maneira correta e segura. Seu advogado deve solicitar os dados cadastrais da conta, incluindo documentos pessoais, dados do veículo e qual a forma de cadastro do entregador.

Houve validação por reconhecimento facial? Houve apenas validação de documentos? Solicite tudo isso, para que você tenha base para um processo criminal, caso queira e para fins de responsabilidade neste processo.

Agora, com relação à operadora de seu cartão, cabe a ela manter a segurança de sua conta e de suas transações. Por exemplo, se o seu perfil financeiro demonstra que jamais houve uma transação via débito no valor de R$ 5.000,00, por qual razão então a operadora aprovou a transação?

Entenda que um processo deste tipo envolve muito mais do que somente danos morais e restituição. Você enxergará a relação que você tem tanto com a operadora de seu cartão quanto com o aplicativo que você solicitou a sua comida. É com base nestes critérios de segurança que você poderá definir as suas relações no ambiente virtual.

E, por outro lado, as empresas poderão melhorar seus serviços, visando a estabelecer critérios cada vez mais seguros e conquistando a confiança de seus clientes. Os erros servem para que melhoremos, e todos são passíveis de cometer erros, principalmente quando se trata de ambiente virtual, onde a cada dia algo novo ocorre, principalmente quando falamos em crimes virtuais.

Para concluir, vamos falar sobre algo que ninguém expôs ainda. Sabe por que você efetua o pagamento? Você se sente intimidado, afinal, o entregador tem todos os seus dados e está na porta da sua casa. “E se acontece alguma coisa?” É isto que te faz pagar, contudo, não se sinta culpado. Não é fácil estar numa situação de vulnerabilidade, ainda mais se tratando deste tipo de ocorrido.

Eles impõem medo e pressão, e sabe o que mais eles têm? Lábia. Ora, saiba que você também tem, e é neste momento que precisa utilizar.

Veja só: ao retirar o pedido, você é pressionado a pagar, mas você já pagou, e no app já apareceu uma mensagem para você tomar cuidado, pois não existe cobrança pelo entregador com pedido pago via aplicativo.

Cabe a você, educadamente, recusar o pedido, informar que o entregador pode devolver ou até mesmo:

Pode ficar com você, deve ter ocorrido algum erro né? Acontece, faz parte. Estou sem o cartão aqui, pois é do meu marido/esposa e ele/ela acabou de sair para trabalhar.

Coisas do tipo, entende? Não se deixe intimidar e, com educação, recuse o pedido.

Quer outra dica? Você não precisa ter contato com o entregador. Ele pode deixar na sua portaria o pedido e ir embora. Ligue para o porteiro, avise que você irá receber um delivery e peça para ele gentilmente retirar para você, e acompanhe pelo app  a entrega, e, posteriormente, vá retirar.

Não é fácil, eu sei, na hora da pressão ter todo esse “jogo de cintura”. Mas é a melhor forma no momento para não se ter um prejuízo financeiro em valor considerável.

Ao final, reporte ao aplicativo o ocorrido e, caso seja de seu interesse ir adiante para que outras pessoas não sejam vítimas, realize um boletim de ocorrência e insira os prints do app com os dados do entregador.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Fernanda Tasinaffo

Especialista em Direito Digital. Advogada.