ArtigosDireito Penal

É possível concurso material entre o crime de roubo e extorsão?

roubo e extorsão

É possível concurso material entre o crime de roubo e extorsão?

Olá amigos, espero que estejam bem.

Esta semana iremos abordar a possibilidade da tipificação do crime de roubo em concurso material com o crime de extorsão.

O crime de roubo encontra-se tipificado no artigo 157 do Código Penal, in verbis:

Art. 157 – Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência:

Pena – reclusão, de quatro a dez anos, e multa.

Da leitura do supramencionado artigo resta evidente que, no crime de roubo, o objeto material tutelado é a coisa alheia móvel, sendo considerado um crime material, ou seja, para sua consumação, necessário que haja, no momento da infração, a posse deste objeto. Dito de outra forma, não é somente a retirada do bem da disponibilidade da vítima que garante a consumação do delito, mas sim, o posterior ingresso no patrimônio do agente ou de terceiro.

De outra sorte, o crime de extorsão, por sua vez, tem previsão legal no artigo 158 do CP:

Extorsão

Art. 158 – Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa:

Pena – reclusão, de quatro a dez anos, e multa.

§1º – Se o crime é cometido por duas ou mais pessoas, ou com emprego de arma, aumenta-se a pena de um terço até metade.

§ 2º – Aplica-se à extorsão praticada mediante violência o disposto no § 3º do artigo anterior.

§ 3o – Se o crime é cometido mediante a restrição da liberdade da vítima, e essa condição é necessária para a obtenção da vantagem econômica, a pena é de reclusão, de 6 (seis) a 12 (doze) anos, além da multa; se resulta lesão corporal grave ou morte, aplicam-se as penas previstas no art. 159, §§ 2oe 3o, respectivamente.

O crime de extorsão, previsto também no capitulo dos crimes contra o patrimônio, visa tutelar, de forma imediata, a liberdade e a integridade física da vítima, tendo-se o patrimônio protegido de forma mediata. Trata-se, portanto, de crime formal, consumando-se não em razão da efetiva obtenção da vantagem indevida e econômica, mas sim diante do constrangimento imposto à vítima, desde que idôneo à obtenção do intuito criminoso.

Dito de outra forma, a conduta tipificada pelo art. 158 do Código Penal é consubstanciada no constrangimento, na coação imposta pelo agente à vítima através de violência ou grave ameaça, visando que esta realize uma ação ou omissão necessária à obtenção de uma vantagem econômica indevida, que não está ao alcance do agente, mas depende, contudo, de uma conduta por parte da vítima.

Weber Martins Batista, sobre a distinção entre os crimes de roubo e extorsão, assim leciona:

O que caracteriza o roubo e o distingue da extorsão é que aquele primeiro é o crime da violência – violência imediata ou mediata, exercida de fato ou imediatamente prometida -, de tal modo que a vítima fica à mercê do agente. Assim, ainda quando está obtenha o bem com a cooperação da vítima, não se pode dizer que está agiu, pois, na realidade, teve suprimida sua vontade, portou-se como um verdadeiro instrumento material da vontade do agente. A extorsão, diferentemente, é o crime da ameaça, em que a vítima pratica a ação pretendida pelo sujeito ativo porque intimidada pela promessa de mal grave. Acontece que, neste caso, embora viciada pela coação, há vontade, a vítima age. O agente não obterá a vantagem pretendida sem um comportamento seu que poderá ser negado (Batista, Weber Martins. O furto e o roubo no direito e no processo penal).

Hodiernamente, são comuns nas cidades brasileiras a ocorrência do popularmente denominado “sequestro relâmpago”. Nesses casos, geralmente os agentes abordam a vítima, subtraem-lhe alguns bens como o veículo, celulares, joias e, não satisfeito com o produto do crime, obrigam-lhes a fornecer a senha de cartões bancários e de crédito para que sejam efetuados saques em dinheiro e compras enquanto a vítima tem a liberdade restringida.

Nesses casos os tribunais têm reconhecido o concurso material entre o roubo (conduta anterior) e a extorsão (conduta posterior) porque esses crimes são caracterizados por ações típicas distintas.

Vale frisar que o sequestro relâmpago é tema bastante polêmico na doutrina brasileira, e a depender do caso, haverá quem defenda tratar-se de roubo majorado, ou extorsão com causa especial de aumento de pena. Essa discussão será objeto de outro artigo.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ), em sua edição de n° 51 da Jurisprudência em Teses sobre crimes contra o patrimônio – roubo, latrocínio e extorsão, firmou o seguinte entendimento, a respeito do tema:

TESE 3. Há concurso material entre os crime de roubo e extorsão quando o agente, após subtrair bens da vítima, mediante emprego de violência ou grave ameaça, a constrange a entregar o cartão bancário e a respectiva senha para sacar dinheiro de sua conta corrente.

Precedentes: AgRg no AREsp 745957/ES, Rel. Ministro GURGEL DE FARIA, QUINTA TURMA, julgado em 19/11/2015, DJe 10/12/2015; EDcl no REsp 1133029/SP, Rel. Ministro NEFI CORDEIRO, SEXTA TURMA, julgado em 22/09/2015, DJe 19/10/2015;

A propósito, a Sexta Turma do STJ, possui remansosa jurisprudência no sentido de que, em se tratando de ações diversas e com desígnios autônomos, não há falar na existência de crime único entre os delitos de roubo e extorsão, mantendo-se incólume o concurso material.

DIREITO PENAL. HABEAS CORPUS. ROUBO CIRCUNSTANCIADO, EXTORSÃO E CORRUPÇÃO DE MENORES. CONDENAÇÃO. ROUBO E EXTORSÃO. AÇÕES DIVERSAS. DESÍGNIOS AUTÔNOMOS. CRIME ÚNICO. NÃO OCORRÊNCIA. REVOLVIMENTO FÁTICO-PROBATÓRIO. IMPOSSIBILIDADE. CONTINUIDADE DELITIVA. INVIABILIDADE. CRIMES DE ESPÉCIES DISTINTAS. CONCURSO MATERIAL MANTIDO. CONCURSO FORMAL ENTRE OS CRIMES DE ROUBO E CORRUPÇÃO DE MENORES. OCORRÊNCIA NA HIPÓTESE. PRECEDENTES. ORDEM PARCIALMENTE CONCEDIDA. 1. Em se tratando de ações diversas e com desígnios autônomos, não há falar na existência de crime único entre os delitos de roubo e extorsão, mantendo-se incólume o concurso material. Para se concluir em sentido diverso, seria necessário o revolvimento do arcabouço fático-probatório, providência inviável no veio restrito e mandamental do habeas corpus. 2. Conforme entendimento pacífico desta Corte, não há continuidade delitiva entre os delitos de roubo e extorsão, porque de espécies diferentes. 3. (…). 4. Ordem parcialmente concedida. (STJ – HC: 411722 SP 2017/0199109-3, Relator: Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, Data de Julgamento: 08/02/2018, T6 – SEXTA TURMA, Data de Publicação: DJe 26/02/2018)

Lado outro, por óbvio, caso no contexto fático reste demonstrado que o réu praticou apenas uma ação, não há que se falar em concurso material.


FONTES AUXILIARES

CAROLLO, João Carlos. A correta tipificação do sequestro relâmpago. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 17, n. 3113, 9 jan. 2012. Disponível aqui. Acesso em: 2 set. 2019.

CUNHA, Rogério Sanches. O crime de roubo e o concurso com outros crimes. Disponível aqui. Acesso em: 10 ago. 2019..


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Advogado Criminalista e Membro do Núcleo de Advocacia Criminal. WhatsApp: (89) 9.9442.4066.
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail