• 24 de setembro de 2020

Criminal Profiling no Brasil?

 Criminal Profiling no Brasil?

Criminal Profiling (ou Psicologia Investigativa) é uma área do conhecimento específica da Psicologia Jurídica que vem avançando lentamente no país, mas já existe desde o século passado.

Com o advento de filmes como O Silêncio dos Inocentes (1991) e séries mais atuais como Criminal Minds (2005), Mindhunter (2017) e Manhunt: Unabomber (2017), podemos observar o crescimento da área no âmbito mundial e o interesse crescente no Brasil.

Mas o que, afinal, é Criminal Profiling e qual é a sua utilidade no Brasil? Bom, para responder a essa pergunta, é importante primeiro entender um pouco das vertentes principais. A mais conhecida delas tomou evidência, principalmente, por meio da captura de assassinos famosos nos Estados Unidos, ao ser criada pelo FBI.

A Teoria do FBI surgiu com John Douglas e Robert Ressler, agentes do FBI que trabalhavam com a ciência do comportamento e iniciaram estudos empíricos, juntamente a outros profissionais, para compreender o comportamento humano e seus padrões através de entrevistas com assassinos famosos como Richard Speck. O método ficou conhecido como Crime Scene Analysis (Análise de Cena do Crime, em tradução livre).

A segunda vertente possui um amparo psicológico maior, pois surgiu com o psicólogo David Canter na Inglaterra, a partir de estudos do comportamento ambiental de crimes violentos. Esses estudos foram baseados na psicologia ambiental e o seu aprofundamento foi chamado posteriormente de Investigative Psychology (Psicologia Investigativa), método que foca mais nas ações do que nas motivações, tendo um viés mais científico.

A última vertente é chamada de Diagnostic Evaluation (Avaliação Diagnóstica) e envolve estudos de diagnósticos ligados principalmente à motivação do autor de um crime para identificá-lo a partir de evidências comportamentais.

Ao explicar as vertentes do Criminal Profiling, é possível concluir que algumas informações se repetem para demonstrar os fundamentos envolvidos no tema. Criminal Profiling, também chamado de Psicologia Investigativa no Brasil, envolve o estudo do comportamento e da personalidade do autor de um crime focado na fase investigativa e com o objetivo de identificar o perfil criminal desse indivíduo.

Basicamente, o profiler analisará a cena do crime e todos os dados coletados relacionados ao delito para encontrar padrões comportamentais e outras características. É dizer: montará um perfil criminal do ofensor visando auxiliar em investigações com pouco ou nenhum vestígio e especialmente de crimes violentos, encontrando, assim, quem cometeu o crime.

É claro que essa área se expandiu bastante durante os anos e hoje abrange muitas outras esferas do conhecimento e formas de atuação, podendo ser utilizada para outros fins, como no caso da Autopsia Psicológica e de técnicas de entrevista. Contudo, o foco sempre será identificar as características do autor do crime, principalmente os mais violentos como homicídios e estupros.

Vale ressaltar que ainda não existe a profissão específica de profiler no mundo. Mesmo nos Estados Unidos, para se tornar um profiler é preciso ser policial e entrar no FBI, ou seja, não é uma profissão e sim uma função do policial.

Existe ainda a dificuldade de comprovação científica. O Criminal Profiling abrange várias ciências como a psicologia, a criminologia e a antropologia e está amparada por estudos científicos por meio de coleta de dados e entrevistas, mas ainda precisa de muito aprimoramento e demanda mais estudos, principalmente no Brasil, pois os padrões comportamentais poder se modificar em certos aspectos de acordo com o meio social em que se está inserido.

Por exemplo, nos Estados Unidos existe muito mais tiroteios em instituições educacionais e no Brasil existe muito mais conflito armado entre traficantes e policiais. Essas diferenças podem ser cruciais no momento de identificação de um criminoso, pois existe uma junção ambiental, psicológica e biológica que influencia nas ações de cada indivíduo.

E isso pode mudar até entre regiões de um mesmo país, como no caso do Brasil, em que os maiores crimes do sudoeste não necessariamente são os mesmos do nordeste. Então, vale salientar que os estudos para analisar padrões, inclusive regionais, são essenciais para a eficácia do trabalho do profiler.

Relacionando então com o Brasil, o Criminal Profiling é de relevante importância, tendo em vista o alto índice de crimes, principalmente de homicídios, e a baixíssima taxa de resolução por parte da polícia.

É de suma importância a possibilidade de usar esse tipo de técnica no serviço público e também no serviço privado para diminuir as taxas de crimes sem solução e o tempo de investigação, além de economia, até porque se trata de um trabalho que não demanda altos gastos com estrutura, somente com estudo e com o profissional que vai dar auxílio, sendo também uma forma de qualificar os próprios profissionais que já atuam diretamente com o crime.

Por fim, uma vez que se trata de uma área que abrange vários aspectos da investigação e áreas do conhecimento correlatas, esse trabalho é de grande auxílio para o judiciário, não somente na parte pré-processual, mas também durante julgamentos.

Existe uma controvérsia quanto à utilização do perfil criminal como meio de prova, mas, sem dúvida, é um método relevante para auxiliar nos avanços e especialização de todos os profissionais do Poder Judiciário.


REFERÊNCIAS

SIMAS, Tânia Konvalina. Profiling Criminal. Introdução à Análise Comportamental no Contexto Investigativo. Lisboa: Rei dos Livros, 2012.

MIELE, Tânia Mara. Entenda o Criminal Profiling e o papel do profiler. Justificando. Disponível aqui.

Verônyca Veras

Especialista em Criminal Profiling. Advogada.