• 30 de outubro de 2020

De jovem advogada para jovem advogado(a): acredite em você! Reinvente-se! Comprometa-se!

 De jovem advogada para jovem advogado(a): acredite em você! Reinvente-se! Comprometa-se!

De jovem advogada para jovem advogado(a): acredite em você! Reinvente-se! Comprometa-se!

Nunca me preocupei em ser uma “advogada comum”, dessas que segue o mesmo caminho já traçado. Sempre quis fazer a diferença, seguir e respeitar, acima de tudo, minha essência e tudo em que acredito.

Não me sinto especial, como alguém que se vê acima das pessoas, apenas sou convicta de que nada faz sentido se não for compartilhado, repassado. 

Estamos todos no mesmo barco, e partindo desse princípio, unidos somos melhores, mais fortes e a vitória é certa! 

Bom, mas o que uma jovem advogada, com apenas 3 anos de experiência na área poderia ter para ser compartilhado, repassado de modo a acrescentar na vida de alguém?

Não sei. Talvez esse texto sirva para você ver que, indubitavelmente enfrentamos as mesmas dificuldades, medos e inseguranças. E talvez meu mérito seja oriundo de sentimentos que me acompanham desde o início dessa jornada, como:

Persistência. 

Força. 

Teimosia. 

Coragem. 

A busca incansável por aquilo que queria, de uma forma que nada nem ninguém pudesse me parar!

Cai-se no caminho? Inúmeras vezes!

Vontade de desistir? Quase todos os dias!

Medo? Não tenho aqui espaço suficiente de quantas vezes senti medo, me senti perdida e chorei para aliviar aqueles sentimentos.

Porém, independente desses momentos obscuros, decidi abraçar com coragem e comprometimento meu sonho, meu desejo de me tornar uma advogada criminalista!

Comecei em desvantagem, pois estava “atrás” da maioria das pessoas que estavam na mesma busca.

Explico. 

Nunca atuei na área penal. Minha formação foi cível! Tudo na área penal era novidade… e precisava me dedicar – muito – mais que os outros!

Independentemente de estar mais atrasada, foquei onde queria chegar e não dei ouvido as inúmeras críticas, olhares tortos e julgadores e sobretudo, a minha autocrítica desanimadora – a cabeça da gente nos prega muitas peças!

No decorrer disso, fui contratada para dois homicídios, sendo um deles inclusive apenas para atuar no tribunal do júri – mais tarde, descobriria o quanto esses casos mudariam minha vida! 

Aceitei os desafios e mergulhei de cabeça, de forma inteiramente comprometida a buscar conhecimento para tanto.

Abri mão de muitas coisas por conta da minha preparação para advocacia criminal!

Foram tempos de escassez e muita economia – a ponto de ir para um curso no Rio Grande do Sul com apenas R$ 15,00 na carteira! Mas isso não me abalava, estava comprometida com minha preparação.  Era na advocacia criminal que me via feliz e realizada!

Não importava meu momento atual, as dificuldades que estava vivendo – pessoais, financeiras e profissionais- pois procurava ter em mente meu foco: me tornar uma advogada criminalista e estar preparada para minha estreia no Tribunal do Júri!

Com toda certeza esse caminho não percorri sozinha. Contei com minha sócia, minha família e inúmeros profissionais renomados e humanizados a qual poderia escrever páginas e mais páginas sobre eles.

E foi nessa mesma busca pelo conhecimento jurídico que acabei aprendendo e seguindo todas as orientações do meu Mestre e a quem tenho como norte, Jader Marques, e comecei tratando de cuidar do meu interior, buscando reconhecer, aceitar e curar minhas limitações.

Todo esse trabalho foi fundamental para me fortificar e principalmente para minha estreia e atuação no júri, que ocorreu em janeiro desse ano. Pois além de ter conhecimento do processo, dominar as teses defensivas que alegaria, precisava estar forte e confiante em mim mesma, para poder prestar com eficiência, zelo e responsabilidade meu trabalho.

Afinal, a pessoa ali sentada no banco dos réus confiava em mim. E eu também precisava confiar! 

Senti medo na hora? Sim! Fiquei nervosa como qualquer pessoa que estreia algo!

Mas me senti inteira, realizada e feliz!

Lutar, defender o direito de alguém, ver a justiça sendo feita foi uma das melhores experiências que vivi.

Naquele momento, tive certeza que todo sofrimento, dedicação, abdicação valeram a pena, pois eu já sentia na alma que era uma advogada criminalista. Nasci criminalista, isso ficou claro!

Porém, quem viu as homenagens veiculadas nos jornais, redes sociais e sites por ter sido a primeira mulher advogada a atuar na defesa no tribunal do júri em 55 anos de Comarca de São João Batista/SC, não imagina todo o caminho percorrido até ali.

Nem tudo foram flores. 

Aliás, muito poucas flores no meio do caminho.

Ser jovem advogada, mulher e criminalista já nos rodeia de inúmeros preconceitos e limitações – senti isso na pele várias vezes, principalmente de colegas próximos – mas como disse, não deixei nada nem ninguém me tirar do foco!

Eu saí da minha zona de conforto. Parei de dar ouvidos as minhas próprias limitações e tratei de me reinventar, criar e acreditar em mim, no meu momento.

Comecei trilhando caminhos diferentes dos comuns – ao menos aqui na região em que atuo – buscando cursos com os melhores, fazendo contato, tirando dúvidas com advogados de todo país, buscando assim as várias visões de algo. 

Busquei me identificar com algum advogado criminalista, para ter uma referência, e acabei descobrindo que queria um pouco de cada um, e assim, acabei “me criando”.

Sim, eu me reinventei muito para ser quem sou depois de todos os percalços do caminho. Me comprometi com meu sonho, no momento que senti que era isso que queria fazer o resto da minha vida. E quando a gente se compromete com algo, ninguém pode nos impedir!

Comprometa-se com seu sonho!

Busque o que te faz feliz e não deixe que nada nem ninguém – principalmente você mesmo- te impeça de ser o que você nasceu para ser.  Porque ninguém conseguirá mesmo. Existe uma força quase que sobrenatural que nos impulsiona a concretizar nosso sonho.

Reinvente-se sempre que for preciso. 

Decida ser o melhor que você pode ser.

Seja sempre humilde, reconhecendo que muitas vezes você precisa de apoio e de alguém que clareie o momento. Busque essa ajuda!

Seja solícito quando for procurado por alguém que precise de ajude.

Não tenha medo das críticas dos outros. 

Não se deixe parar pelas suas próprias críticas.

Jamais enxergue o outro como concorrente. Isso é uma visão limitada de pessoas medrosas e fracas. Estamos no mesmo caminho, se seguirmos juntos o conhecimento e a experiência multiplicam, ficando mais fácil a jornada.

E acima de tudo, confie em você e em seus instintos!

Jamais deixe de acreditar em você!

Não importa o tipo e o tamanho da dificuldade, ela sempre tem solução, mas a gente só descobre, quando consegue acreditar em si mesmo, em nossos instintos e na vida!

O momento atual, é apenas mais um percalço a ser vencido. E acredite, eles sempre nos transformam em pessoas e profissionais melhores. 

Estamos juntos!

Contem comigo.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Chelly Cim