Noticias

1ª delatora da Lava-Jato, Nelma Kodama, ganha liberdade provisória

1ª delatora da Operação Lava-Jato, Nelma Kodama, ganha liberdade provisória

Acusada de tráfico internacional de drogas pela Polícia Federal (PF) e conhecida como a primeira delatora da Operação Lava-Jato, Nelma Kodama conquista liberdade provisória.

A decisão foi proferida nesta quarta-feira pelo desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Nelma Kodama
Foto: Reprodução/Instagram

Leia mais:

Haddad reforça posição de Lula sobre genocídio em Gaza: ‘Não podemos ficar indiferentes’

Prisão de Padre na Espanha: Líder religioso acusado de venda ilegal de viagra

Condições da liberdade provisória

A prisão domiciliar de Kodama foi convertida em liberdade provisória, permitindo que a ex-doleira possa circular pelas ruas. Contudo, ela não pode deixar a cidade de São Paulo e deve permanecer com a tornozeleira eletrônica na perna esquerda. Além disso, nelma deve estar em casa das 18h às 6h diariamente.

Fundamento da decisão

O desembargador federal concedeu a liberdade em caráter liminar por meio de um habeas corpus. Segundo o documento da decisão, a doleira apresenta problemas clínicos que influenciaram na concessão da liberdade. “Ela demandou nos últimos meses inúmeras providências médicas”, detalha o despacho.

Questões de saúde

Quando questionada sobre suas alegadas doenças graves, Nelma, que costuma compartilhar em suas redes sociais postagens no estilo “influenciadora” e aparenta ter uma boa saúde, mencionou que sofreu de problemas estomaciais e depressão. Já o advogado da doleira, Felipe Cassimiro Melo de Oliveira, afirmou que houve um erro de interpretação na decisão, sugerindo que as doenças graves mencionadas pertenciam à mãe de Nelma, e não a ela.

Liberações similares

Outro argumento que favoreceu a nelma foi o fato de seu ex-namorado, Rowles Magalhães Pereira da Silva, que também foi preso pela Polícia Federal junto com ela, já estar em liberdade há um ano. Eles se envolveram em um esquema de tráfico internacional de drogas com ligação ao Primeiro Comando da Capital (PCC). “Eu sou inocente. Meu erro nessa história foi ter me envolvido com esse bandido”, justificou a doleira, defendendo sua inocência.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo