- Publicidade -

Desembargador diz que vai “comer” colegas juízas com Leonardo

- Publicidade -

Desembargador diz que vai “comer” colegas juízas com Leonardo

- Publicidade -

Vem circulando nas redes sociais um vídeo em que um desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em conjunto com o cantor Leonardo, se dirige a um grupo de amigas juízas com a seguinte frase:

Nós vamos aí comer vocês.

No vídeo, o desembargador Jaime Machado Júnior acrescenta ainda, apontando para Leonardo:

Ele segura e eu como.

- Publicidade -

Assista ao vídeo completo:

https://www.youtube.com/watch?v=TPaJ_4qAkRc

Sem sombra de dúvidas, foram infelizes as afirmativas do desembargador. No atual cenário nacional de violência doméstica, tal afirmativa, além de totalmente depreciar as mulheres, banaliza a conduta da violência sexual.

Apesar da suposta ausência de dolo direto, o desembargador, indubitavelmente, assume o risco de ofender a dignidade das mulheres quando faz tais afirmações, tendo total ciência da gravidade de suas palavras.

- Publicidade -

No Brasil, onde cerca de 144 mulheres são vítimas de violência sexual diariamente, não se deve reforçar discursos banalizando questões sexuais envolvendo mulheres, especialmente quando o profissional exerce alto cargo no Poder Judiciário, na distribuição da justiça.

- Publicidade -

É a banalidade do mal, como nos lembra o pensamento já defendido por Hannah Arendt, quando o mal se torna tão comum, tão normal, a ponto de se tornar motivo para ausência de empatia, parecendo normal, onde até mesmo afirmativas ofensivas como essas se tornariam apenas motivo para brincadeira.

Em 2015, o Brasil incluiu no Código Penal, por intermédio da  Lei nº 13.104, uma modalidade de homicídio qualificado, o “feminicídio”, considerado crime hediondo, quando o homem mata a mulher por razões da condição de sexo feminino.

Feminicídio (121, § 2ªA, do CP)

§ 2o-A Considera-se que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve:

I – violência doméstica e familiar;

II – menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Portanto, a mulher deve ser respeitada e resguardada. Não se deve ser banalizada em brincadeiras como em comento, num cenário crescente de violência doméstica e feminicídio no Brasil, especialmente quando as forças públicas que deveriam resguardar a mulher acabam por adotar medidas inócuas, apenas aumentando os índices de violência no Brasil.

Em vez da frase dita, deveria dizer:

- Publicidade -

Vamos aí levar uma flor pra vocês.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais