ArtigosEnsaios Processuais

Dilema do Prisioneiro

dilema

Dilema do Prisioneiro

O jogo constituído através da interação entre seus jogadores, ou seja, aqueles que tomarão as decisões, as quais refletem, atingem o outro em maior ou menor grau, possuindo a sua disposição conhecimentos anteriores advindos de outros jogos ou não, estratégias e informações limitadas sobre o que o outro sabe ou não (ROSA, 2017).

O Dilema dos Prisioneiros, hoje, é o exemplo mais clássico de como o jogo funciona e se estabelece, visto que os prisioneiros possuem todos os elementos necessários a formação de um jogo: interação, poder de decisão, maior ou menor de vulnerabilidade à decisão do oponente, de acordo, também, com a sua decisão.

Este jogo consiste na prisão de duas pessoas pelo suposto cometimento de um crime. No entanto, são colocadas em celas separadas, impossibilitando sua comunicação. Assim, a eles são dadas três possibilidades, objetivando a confissão:

  1. Uma confissão: o que não confessou tem a pena máxima;
  2. Duas confissões: pena reduzida pela metade aos dois suspeitos;
  3. Nenhuma confissão: tempo de prisão estendido a menos da metade da pena a ser dada.

A decisão (dilema) de confessar ou não de um, por certo, reflete na consequência a ser acarretada ao outro e vice-versa, é nisso que consiste o jogo. Dessa forma, o conhecimento do oponente, acordos prévios de silêncio, possíveis estratégias a serem adotadas, participação no crime, pena em abstrato, dívidas, previsão de jogadas, faz parte do estudo dos possíveis comportamentos dos jogadores e de como se farão as jogadas.

Ao analisar os possíveis resultados, parece fácil identificar a melhor solução: ninguém confessar. Porém, como incomunicáveis, torna-se muito difícil apostar nisso e correr o risco de qualquer resultado ser pior do que ter optado pela confissão. Nesse sentido, o jogo dos prisioneiros estabelece-se como um jogo não-cooperativo de resultados previamente conhecidos e determinados (PINHO; VASCONCELLOS; TONETO JR, 2012).

Nos jogos reais, especificamente na Persecução Penal, as consequências, pois também as variáveis, informações, regras, conhecimento do oponente, combinações prévias, confiança e jogos anteriores, são elevadas a um outro patamar, visto que o próprio jogo ganha novos contornos: envolvimento e influência de outros sujeitos-jogadores internos e externos, sequência de ações, “timing”, momento da tomada da decisão, possibilidade de cooperação (acordos premiados, delações), informações disponíveis (o que um sabe que o outro sabe, o que um sabe que o outro não sabe, o que ele não sabe que o outro sabe, o que ele não sabe que o outro não sabe), dopings (ROSA, 2017).


REFERÊNCIAS

ROSA, Alexandre Morais da. Procedimentos e Nulidades no Jogo Processual Penal. Florianópolis: EMais, 2017.

ROSA, Alexandre Morais da. Para entender a Delação Premiada pela Teoria dos Jogos. Florianópolis: Empório Modara, 2017.

PINHO, Diva Benevides.; VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; TONETO JR, Rudinei. Introdução à Economia. São Paulo: Saraiva, 2012.


Leia mais artigos da coluna Ensaios Processuais AQUI.

Autor

Pós-Graduanda em Direito Penal e Direito Processual Penal. Pesquisadora.
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail