Noticias

Novo documentário da Netflix mostra os crimes chocantes do “Assassino do Baralho”

Netflix lança documentário sobre “O Assassino do Baralho”, o primeiro serial killer da Espanha

A Netflix é conhecida por seus documentários que exploram crimes reais e chocantes. O lançamento da vez trata-se de O Assassino do Baralho, que estreou na última sexta-feira, 9. A produção relata os crimes brutais e notórios de Alfredo Galán Sotillo, o primeiro serial killer da Espanha.

Alfredo Galán Sotillo matou seis pessoas e tentou tirar a vida de outras três. Ele escolhia as vítimas aleatoriamente, sempre usando a pistola que contrabandeou da Bósnia, onde participou de uma missão humanitária com o exército de seu país. Condenado a 142 anos de cadeia, Sotillo vai cumprir o máximo de 25 e ganhará a liberdade aos 52 anos”, diz a sinopse da trama.

LEIA MAIS:

Suzane von Richthofen se arrependeu do crime? Psiquiatra faz revelação surpreendente

Descubra por que especialistas afirmam que a Constituição está ultrapassada para o processo penal

Quem foi Alfredo Galán Sotillo, o assassino do baralho?

Alfredo Galán nasceu no dia 5 de abril de 1978 em Puertollano, província de Ciudad Real, na região de Castela-La Mancha. Embora seja lembrado como um aluno normal e introvertido, acabou se tornando presidente de sala em seu colégio. Aos 20 anos, ingressou no Exército espanhol e participou de missões humanitárias na Bósnia. Em 2002, retornou à Espanha para ajudar na limpeza do derramamento de óleo do Prestige.

Seu primeiro crime ocorreu logo após ser diagnosticado com neurose e ansiedade no Hospital Militar Gómez Ulla, em Madri, onde estava sendo tratado após roubar um carro. Em março de 2003, conseguiu trabalho como segurança no Aeroporto de Madrid-Barajas, mas seus assassinatos já haviam começado aquela altura.

O Assassino do Baralho
Novo documentário da Netflix mostra os crimes chocantes do "Assassino do Baralho" 2

O que levou Galán a ser conhecido como “O Assassino do Baralho”?

A onda de assassinatos iniciada por Alfredo Galán durou cerca de dois meses, entre janeiro e março de 2003. Seus crimes brutais chamaram a atenção principalmente por deixar uma carta de baralho junto às suas vítimas. A primeira delas, Juan Francisco Ledesma, foi morta na frente do filho de apenas dois anos, com uma carta de ás de copas deixada no local.

O segundo crime ocorreu em 5 de fevereiro, quando ele matou Juan Carlos Martin Estacio com um tiro na cabeça, deixando um ás de paus no local. Santiago Eduardo Salas, baleado no rosto, sobreviveu e sua amiga Anahid Castillo Ruperti conseguiu escapar da cena do crime. Acreditando ter cometido mais uma morte, Sotillo deixou mais uma carta no local.

Como foi a confissão e a sentença de Alfredo Galán Sotillo?

Em 3 de julho de 2003, Alfredo Galán Sotillo se rendeu em uma delegacia de polícia e confessou ser O Assassino do Baralho. Posteriormente, alterou sua versão, alegando que um neonazista o havia ameaçado e obrigado a assumir a culpa pelos crimes. No entanto, o juiz não aceitou sua consideração.

Após ser considerado culpado de seis assassinatos e três tentativas de homicídio, Galán recebeu uma sentença de 142 anos e três meses de prisão. Atualmente, ainda está preso cumprindo sua sentença na Espanha. Segundo a Netflix, ele vai cumprir o máximo de 25 anos de pena e ganhará a liberdade aos 52 anos, em meados de 2030.

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo