- Publicidade -

Então você é defensor de bandidos?

Então você é defensor de bandidos?

- Publicidade -

Já imaginava as dificuldades quando decidi dedicar à advocacia criminal, mas foi no dia a dia que senti o preconceito na pele. A pergunta mais comum que escuto é a seguinte:

Então você defende bandidos?

No começo confesso que isso me deixava triste, mas percebi que as pessoas não faziam a pergunta por mal e sim por falta de conhecimento do papel do advogado na aplicação da justiça. E é essa importância do advogado criminalista que irei tentar mostrar aqui.

Primeiro, gostaria de contar um fato que aconteceu.

- Publicidade -

Logo após eu passar no Exame da Ordem resolvi que iria me dedicar na área criminal. Um dia estava acontecendo uma festa na cidade e encontrei uma senhora, amiga de minha mãe, com o seu marido. No meio da conversa ela me elogiou em saber que eu tinha passado no exame. Conversando um pouco mais eu disse em qual área pretendia atuar, foi então que a temida afirmação ou pergunta veio:

Então você vai defender bandidos?

Educadamente argumentei e expliquei por que não era um defensor de bandidos. Dias depois meu telefone toca, era essa senhora do outro lado da linha. Seu irmão descobriu uma traição e atacou o suposto amante de sua esposa, desferindo facadas e praticando o crime de homicídio (art. 121 do Código Penal). Como profissional fiz os atendimentos preliminares, mas sabia que, para ela, a partir daquele momento, eu não era mais um defensor de bandidos, pois ali era uma irmã desesperadamente buscando ajuda para o amado irmão.

O artigo 133 da Constituição Federal traz o seguinte:

O advogado é indispensável à administração da justiça.

- Publicidade -

Primeiramente, é importante destacar que a Constituição Federal é a lei das leis, ou seja, é através dela que nossas leis foram criadas, se uma lei vai contra a Constituição ela é classificada como inconstitucional, não tendo mais efeito. Partindo dessa premissa que a constituição é garantista, devido a todo contexto histórico do Brasil, fica nítido que este artigo não está aí por acaso, e que a intenção dos constituintes não era de defender ou soltar bandidos e, sim, proteger os inocentes para não deixá-los sem a ampla defesa.

O que devemos entender é que o advogado tem a mesma importância dentro de um processo quanto o juiz e o promotor, pois, caso um deles não estejam presentes em um processo criminal, essa justiça tão aclamada e necessária pela sociedade não poderá ser aplicada. Um exemplo prático que sempre uso é o seguinte: um homem chegando em sua casa, em um momento de fúria, mata a esposa e as duas filhas, uma de cinco anos e a outra de três anos, e antes de fugir ainda coloca fogo na casa.

Então vem a pergunta: se esse homem comparecesse em seu escritório de advocacia, você faria a defesa? Pois bem. Se fosse ao meu escritório eu faria, mas se você mentalmente respondeu que jamais faria a defesa de uma pessoa como esse homem, então eu lhes faço outra pergunta:

entre você, que não faria a defesa, e eu, que faria, quem é defensor de bandidos?

Talvez você esteja respondendo:

- Publicidade -

É claro que é você.

Mas digo que não.

Vamos supor que você não aceitou fazer a defesa, o outro advogado vizinho seu também não aceitou e, devido à brutalidade do crime, ninguém quis fazer a defesa. Sem um defensor constituído esse bandido não poderia ser julgado, sem o julgamento não poderia ser condenado e sem a condenação teria de estar livre vivendo em sociedade, então não teríamos a justiça sendo aplicada.

Pois bem, eu aceitei fazer a defesa, a sociedade me julgou me criticou, fiz a melhor defesa possível do caso, dos direitos legais que estão nas leis do crime praticado, leis essas feita por políticos que vocês elegeram e lá estavam lhes representando.

Mas mesmo com minha defesa esse réu pegou a pena máxima, então assim a justiça foi feita, mas o advogado defensor neste caso específico herói da sociedade foi repudiado, julgado e condenado socialmente. Ninguém viu que, sem esse advogado, a sociedade não teria a tão almejada justiça.

- Publicidade -

Um advogado não defende bandidos, mas sim o direito do acusado, seja culpado ou inocente.

Leia também:

STJ: não cabe habeas corpus para revisar condenação confirmada pelas instâncias ordinárias


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais