ArtigosDireito Digital

Estelionato amoroso: cuidado com as “mulheres” no Facebook

estelionato amoroso

Estelionato amoroso: cuidado com as “mulheres” no Facebook

Um dos golpes mais comuns praticados via Facebook, em redes sociais, é protagonizado por mulheres novas e bonitas, que, com um modus operandi peculiar, postam fotos sensuais e, com uma conversa enganosa, iludem homens que estão em busca de um relacionamento.

Estelionato amoroso

Trata-se do que chamo de estelionato amoroso. Perfis falsos de mulheres novas e bonitas estudam perfis de homens para serem suas vítimas, geralmente com estabilidade, com o intuito de obterem vantagem indevida.

O meio realizado é o Facebook, onde, por meio de perfis falsos, iniciam conversas e até mesmo fazem falsos check-ins, postam fotos reais de outras pessoas e de lugares que realmente existem para dar legitimidade ao perfil fake.

Após bastante conversa e jogada a isca e mordida pelo homem, o perfil fake começa pedindo crédito para celular, depois dinheiro, pequenas quantidades, depois vultuosas quantias, sob pretexto de problemas de saúde, pagamento de faculdade. Tem caso até mesmo de morte nisso, sob a promessa de encontro de namoro, criando engenhosa ilusão amorosa.

Nesses casos são comuns de ter como vítimas pessoas de outros estados. Além disso, na grande maioria das vezes por trás desses perfils fake estão presos em cumprimento de pena, que usam desse artifício para obter a vantagem econômica. Tal conduta se amolda perfeitamente ao tipo penal do estelionato, previsto no art. 171 do CP, que estabelece como crime

Art. 171. Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

O ardil, nesse caso, é feito via perfis falsos, por meio de conversas enganosas, para obtenção de vantagem ilícita, sob a ilusão amorosa.

Após descobrir a fraude, a vítima poderá registrar boletim de ocorrência e acionar a delegacia para apuração do crime e instalação de inquérito policial, além de acionar o juízo civil para a reparação do dano causado.

No entanto, um dos grandes problemas é que os autores desse tipo de crime são geralmente de outros estados e, como já dissemos, pode até mesmo estar presos, o que torna difícil a elucidação. Uma das formas de pegar o estelionatário é combinando uma entrega em dinheiro vivo. Por isso, fica o aviso para ter cautela nas relações via redes sociais.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Osny Brito da Costa Júnior

Advogado (AP)
Continue lendo
Receba novidades em seu e-mail