ArtigosExecução Penal

Estrangeiro condenado no Brasil pode cumprir a pena privativa de liberdade no país de nacionalidade?

estrangeiro condenado no Brasil

Estrangeiro condenado no Brasil pode cumprir a pena privativa de liberdade no país de nacionalidade?

O estrangeiro condenado no Brasil por sentença condenatória transitada em julgado pode cumprir a pena privativa de liberdade no país de nacionalidade?

Dispõe o art. 105 da Lei n. 7.210/1984 – Lei de Execuções Penais, que “transitando em julgado a sentença que aplicar pena privativa de liberdade, se o réu estiver ou vier a ser preso, o Juiz ordenará a expedição de guia de recolhimento para a execução”, a fim de que seja dado início ao cumprimento da reprimenda.

Conforme se observa, a LEP não faz distinção entre brasileiros e estrangeiros condenados em território brasileiro.

Contudo, a Lei n. 13.445/2017, conhecida como Lei de Migração, prevê que, havendo tratado internacional ou quando houver promessa de reciprocidade entre os países envolvidos, e desde que preenchidos os requisitos legais, o estrangeiro condenado no Brasil poderá, por meio de procedimento gratuito e sem advogado, solicitar a transferência para seu país de nacionalidade ou país em que tiver residência habitual ou vínculo pessoal, a fim de cumprir pena imposta pelo Estado brasileiro por sentença condenatória transitada em julgado.

Veja-se o teor da Lei n. 13.445/2017:

Art. 103. A transferência de pessoa condenada poderá ser concedida quando o pedido se fundamentar em tratado ou houver promessa de reciprocidade.

§ 1º O condenado no território nacional poderá ser transferido para seu país de nacionalidade ou país em que tiver residência habitual ou vínculo pessoal, desde que expresse interesse nesse sentido, a fim de cumprir pena a ele imposta pelo Estado brasileiro por sentença transitada em julgado.

§ 2º A transferência de pessoa condenada no Brasil pode ser concedida juntamente com a aplicação de medida de impedimento de reingresso em território nacional, na forma de regulamento.

Para tanto, o estrangeiro condenado deverá cumprir os requisitos previstos no art. 104, sendo necessário lembrar que “não se procederá à transferência quando inadmitida a extradição”, nos termos da Lei n. 13.445/2017.

Trata-se de instrumento de cunho humanitário que objetiva a ressocialização, aproximando o condenado de seus familiares e de seu ambiente social e cultural.

Oportuno destacar, ainda, que dependendo da natureza do crime e do preenchimento de alguns requisitos legais, o estrangeiro condenado no Brasil poderá ser expulso do país (arts. 54 e seguintes da Lei n. 13.445/2017).


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail