• 20 de fevereiro de 2020

Eu tinha o sonho de trabalhar no júri, mas não tinha ideia de como começar

 Eu tinha o sonho de trabalhar no júri, mas não tinha ideia de como começar

Eu tinha o sonho de trabalhar no júri, mas não tinha ideia de como começar

Todos que me conhecem sabem o quanto amo atuar no Tribunal do Júri. Já recebi muitos pedidos para ensinar como se trabalhar em plenário, mas nunca tinha pensado em fazer isso. Acontece que o retorno que tenho das pessoas que já ajudei acabou me motivando e muito. Hoje auxílio muitos colegas por todo Brasil e, inclusive, consigo levar muitos comigo para a primeira atuação em plenário.

Na grande maioria são colegas que nunca tinham atuado em plenário. E, em outros casos, advogados que sonhavam em desempenhar um trabalho satisfatório no júri. Faço isso porque eu era como a maioria das pessoas que me procuram.

Comecei do zero, sem nenhum norte na profissão. Vivi a dificuldade que muitos vivem. Tinha o sonho de trabalhar no Júri, mas não havia sequer recursos para aprender, ou ideia de onde. Acredito que ninguém precisa nascer com talento para trabalhar com o que gosta, mas de determinação e empenho.

Foi pensando nisso que lancei ontem, em conjunto com o Canal Ciências Criminais, o curso online JÚRI NA PRÁTICA. No curso, ensino como eu estudo para o júri e como preparo os meus plenários. O curso é composto de mais de 50 videoaulas, além de material de apoio e certificado, e o enfoque é prático.

Além disso, as videoaulas são didáticas, para ajudar todos aqueles e aquelas que desejam atuar em plenário. Atuar no júri não é fácil. Exige muito empenho e dedicação, mas é plenamente possível. Por isso, eu decidi compartilhar com você tudo o que sei. Agora você decide se deseja mudar ou não seu nível de atuação!

Clique AQUI para saber mais sobre o curso online Júri na Prática

Forte abraço, e nos vemos na tribuna!


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Felipe Geitens