Noticias

Ex-jogador de futebol Giovanni Padovani é condenado à prisão perpétua por feminicídio na Itália

Vida e carreira no futebol se encerram brutalmente para ex-jogador italiano

Acusado de uma série de atos brutais de violência, o ex-jogador de futebol e ex-modelo italiano Giovanni Padovani viu sua carreira esportiva e sua liberdade se extinguirem de forma sombria. Aos 28 anos, Giovanni recentemente foi condenado a prisão perpétua pelo assassinato da sua ex-namorada, Alessandra Matteuzzi, de 56 anos.

Leia mais:

Foragido acusado de homicídio é morto em confronto com a Polícia Civil

4 HQs de True Crime imperdíveis para aficionados do gênero disponíveis na Amazon!

Assassinato de Alessandra

Alessandra estava em uma chamada telefônica com a sua irmã, Stefania, quando Padovani realizou um ataque premeditado ao encontrá-la do lado de fora de sua casa em Bolonha, na região de Emília-Romanha, no norte da Itália. Stefania foi a testemunha auditiva dos aterradores momentos finais de sua irmã, ouvindo os gritos de Alessandra enquanto Padovani a espancava.

A violência desmedida, perpetrada com diferentes objetos – incluindo um martelo, um taco de baseball e até um banco de jardim – levou à morte de Alessandra, que apesar de ter sido resgatada, não conseguiu sobreviver aos ferimentos graves que sofreu.

Passado conturbado

Giovanni e Alessandra namoraram por quase um ano, mas passaram a maior parte do tempo separados, pois ele trabalhava na Sicília enquanto ela residia em Bolonha. Após o término do relacionamento, vários episódios de agressões por parte de Padovani foram relatados, incluindo investidas por meio de mensagens e ligações e até uma tentativa de invadir a casa de Alessandra.

Sentença e desdobramentos

O juiz Domenico Pasquariello, do tribunal de Bolonha, condenou Giovanni à prisão perpétua, medindo como agravantes a natureza premeditada e predatória da sua perseguição e comportamento.
O caso, que ocorreu em agosto de 2022, chocou a opinião pública italiana, sendo considerado emblemático para a justiça do país. A ironia de que Giovanni tenha participado de uma campanha contra o feminicídio um ano antes do crime só fez aumentar o clamor popular por uma mudança no tratamento dado a casos de perseguição e proteção de mulheres contra abusadores pelas autoridades.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo