ArtigosCrime, Arte e Literatura

Fábrica: a indiferença temperada a ferro e fogo

fábrica

Fábrica: a indiferença temperada a ferro e fogo

Fábrica é uma composição de Renato Russo, lançada no álbum “Dois”, da banda Legião Urbana, em 1986.

E não se trata apenas de mais uma bela canção, assim como a maioria das interpretações da banda; mas se refere a algo maior.

É importante entender as tensões que existiam e pressionavam a sociedade brasileira daquela época, alguns tentando confirmar sua posição e seu status, e muitos buscando por sobrevivência em meio ao turbilhão de obstáculos que se faziam presentes.

A nova república, o plano cruzado, as eleições e o término da ditadura eram mudanças necessárias, que acabam causando uma transição em determinados segmentos sociais, da mesma forma que desfraldam um novo período de lutas e protestos.

Com uma maior liberdade anunciada por uma vindoura carta de direitos, que atingiu seu ápice com a promulgação da Constituição, o momento era de reformas e invocar a atenção para os menos favorecidos e esquecidos nos chãos das fábricas insalubres do “velho mundo” ao “novo” que se abria a frente.

Para isso, as antigas alianças entre operários e suas corporações forjadas em seus ânimos de combate tomaram um fôlego ainda mais encorajador; o momento era de mudança.

Ocorre que essa pseudolibertação não pode jamais se transformar em uma alienação constante. Para tanto, a união dos trabalhadores que peleavam por melhorias em seus postos de serviços se perfaziam em prol de toda uma nação: não deixar a libertação que se objeta a frente se transformar em conformismo e em alienação.

A mudança então, deveria vir, comedida pelos mais sôfregos, movida pela impaciência causada pela agonia, que agora se imaginava lá bem longe. A partir da mudança, caberia ao tempo revelar que sem luta ou entrega à causa operária por salubres condições, nada de fato se alteraria.

A relação de poder é evidenciada na música quando o mais forte, que “escraviza quem não tem chance”, tem o poder de guardar os portões da fábrica. Saber “de onde vem a indiferença temperada a ferro e fogo” significa determinar toda a condição que se estabelece a partir de poderes que surgem com a detenção de capital, realizada pelos mais abastados empresários.

O que se segue, em épocas de um crescente liberalismo, é a proteção de um sistema de mais valia, no qual a força de produção braçal equivale a um mero componente de um método baseado na obtenção do lucro, custe o que custar.

As reivindicações por justiça (“quero justiça, quero trabalhar em paz, quero um trabalho honesto em vez de escravidão”) soam contra o poder burguês que ocupa o topo da pirâmide econômica, não observando os dissabores que enfrenta o proletariado.

A busca pelo lucro beira a ganância e extrapola princípios básicos como a saúde e a preocupação com o outro, que perde sua energia vital nas insalubres máquinas que sustentam a indústria, é inexistente.

Nesse sentido, a falta de questionamento perante ao aflitivo tormento imposto à natureza, usada como um instrumento a mais para a obtenção de capital, leva seus rastros aos já fadados à penúria nas fábricas, cujas vistas se cansam perante ao ar cinzento causado pelas chaminés que constantemente alimentam (“O céu já foi azul, mas agora é cinza, o que era verde aqui, já não existe mais”.).

Em outra concepção, o penar nas doentias condições de labor oferecidas pelas fábricas deixa a vista cansada a ponto de não enxergar um futuro promissor a frente, ou de ao menos, idealizar alguma salvação (“…um trabalho honesto em vez de escravidão”.).

Esse conceito de luta de classes em Fábrica significa ainda o embrião de todo pensamento marxista, pois aqui há o pedido de socorro do empregado de chão de fábrica, um apelo por dignidade que supera sua conduta inerte e passiva de outrora.

Tem-se, ao final de um período militar e na aurora da nova república, a súplica do moribundo, que se prostra como um manifesto de dor e raiva, mas ainda, um hino de esperança para o porvir.

Sem muita esperança em mudanças pacíficas, (“…de tanto brincar com fogo, que venha o fogo então”) a luta do proletariado inverte a questão, entendendo que sem ele não há lucro, ao menos naqueles momentos de tensão e de clamor por direitos.

Tais liberdades e direitos ainda levaram (e levam ainda, pois a luta é diária) um longo tempo para que viessem (e venham) a se estabelecer na sociedade brasileira. Mas ainda há um longo caminho pela frente, quando a escravidão não parece ser coisa de um passado tão distante assim, mas se ergue na sociedade hodierna como um edema que precisa ser extirpado, em pleno século XXI.

Fábrica /Legião Urbana / Letra de Renato Russo:

Nosso dia vai chegar, teremos nossa vez, não é pedir demais; quero justiça, quero trabalhar em paz, não é muito o que lhe peço: Eu quero um trabalho honesto em vez de escravidão. Deve haver algum lugar onde o mais forte não consegue escravizar quem não tem chance. De onde vem a indiferença temperada a ferro e fogo? Quem guarda os portões da fábrica? O céu já foi azul, mas agora é cinza; o que era verde aqui já não existe mais. Quem me dera acreditar que não acontece nada, de tanto brincar com fogo que venha o fogo então. Esse ar deixou minha vista cansada; nada demais.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Mestre em Direito. Professor. Advogado.
Continue lendo
ArtigosDireito Digital

Projeto anticrime aprovado na Câmara altera pena para ofensas nas redes sociais

ArtigosDireito Penal

Todo ato sexual praticado com menores de 14 anos é criminoso? (Parte 2)

ArtigosProcesso Penal

O interrogatório judicial como meio de defesa

ArtigosDireito Penal

A pena em abstrato

Receba novidades em seu e-mail