Noticias

Preso há mais de 20 anos, Fernandinho Beira-Mar alega insanidade mental para tentar ganhar liberdade

Fernandinho Beira-Mar solicita tratamento psicológico fora da prisão

Luiz Fernando da Costa, popularmente conhecido como “Fernandinho Beira-Mar”, preso na Penitenciária Federal de Campo Grande desde 2019, passou por perícia psiquiátrica recentemente. Com essa análise, o presidiário busca a liberdade para efetuar um tratamento psicológico fora da prisão, segundo informações obtidas pelo g1.

O exame foi conduzido após a solicitação da defesa de Beira-Mar para sustentar a alegação de insanidade mental do prisioneiro. Os advogados do homem, reconhecido como um dos maiores traficantes do Brasil, afirmam que seu quadro mental é derivado das condições rigorosas vividas dentro do sistema prisional.

fernandinho
Imagem: G1

Leia mais:

URGENTE: Bolsonaro apresenta queixa-crime no STF contra Lula

Como a pirataria e contrabando estão ligadas ao crime organizado?

Quais requisitos sustentam o pedido de tratamento psicológico?

Como os registros apontam, Fernandinho Beira-Mar tem reclamado de problemas de saúde mental. O ex-traficante sustenta que as alterações em seu comportamento são devido ao isolamento rigoroso imposto pelas prisões federais. Beira-Mar argumenta também que a privação de contato com sua família – seis filhos biológicos e 11 adotivos – têm impactado sua saúde mental.

A partir de 2001, depois de ser capturado na Colômbia, Beira-Mar foi transferido para diversos presídios federais, incluindo Catanduvas-PR, Brasília-DF, Porto Velho-RR, e Mossoró-RN.

O que diz a defesa de Fernandinho Beira-Mar?

O advogado Luiz Gustavo Bataglin, representante legal do prisioneiro, confirmou que a consulta psiquiátrica aconteceu, mas disse que não pode comentar sobre o caso devido à confidencialidade. O processo de perícia psiquiátrica corre em sigilo.

Até o momento, Beira-Mar cumpriu 25 anos de uma sentença total de 300 anos de prisão. Ele foi condenado por vários crimes, como tráfico de drogas, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e homicídios.

Atuação de Beira-Mar mesmo recluso

Em 2007, uma investigação da Polícia Federal revelou que, apesar de estar preso, Beira-Mar mantinha controle sobre o fornecimento de drogas para favelas do Rio de Janeiro. Isso resultou na prisão de 19 indivíduos na ocasião.

Segundo as autoridades, Beira-Mar comandava as atividades do tráfico em três comunidades da Baixada Fluminense: Favela Beira-Mar, Parque das Missões e Parque Boavista.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo