- Publicidade -

Galo continua preso: Mano Brown e outras personalidades se manifestam

- Publicidade -

Diversas pessoas públicas estão se mobilizando nas redes sociais para pedir a liberdade de Paulo Roberto da Silva Lima, conhecido como Galo, ativista preso há mais de 10 dias por ter incendiado a estátua de Borba Gato, em São Paulo.

- Publicidade -

As personalidades posaram para fotos segurando cartazes e faixas com a hashtag #liberdadeparagalo, entre elas o rapper Mano Brown e alguns parlamentares. Mano Brown escreveu:

Já são seis dias de uma prisão arbitrária, ilegal e autoritária. São seis dias sem sua esposa e sua filha de três anos. Uma prisão pra tentar calar a luta. Não passarão! Seguiremos firmes até a liberdade do Galo!

Na última sexta-feira (6), a Justiça decretou as prisões preventivas de Galo e dois outros ativistas, suspeitos de terem ateado fogo na estátua de Borba Gato.

Galo, que diferentemente dos outros dois homens já estava detido em prisão temporária desde 28 de julho, teve sua soltura da temporária determinada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

- Publicidade -

Todavia, ao invés de emitir o alvará de soltura, o Juízo de primeira instância acatou o pedido do Ministério Público (MP) para que fossem decretadas as prisões preventivas dos três homens, incluindo Galo. A Denúncia do MP, no entanto, ainda não foi apresentada.

- Publicidade -

Galo confessou os atos e foi indiciado pelos crimes de incêndio, dano, associação criminosa e adulteração de veículo.

Ele estava detido na carceragem do 2º Distrito Policial, no Bom Retiro, Centro de São Paulo. Na sexta-feira (6), ele foi levado ao 11º Distrito Policial, em Santo Amaro, na Zona Sul, onde o caso é investigado. Posteriormente, ele seguiria para um Centro de Detenção Provisória (CDP).

Leia também

Agente da PCDF é presa suspeita de perseguir três ex-namorados

- Publicidade -

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais