Gary Ridgway

Gary Ridgway, o assassino de Green River

Por

 “Eu sempre quis saber como seria matar alguém” (Gary Ridgway) 

 A PERSONALIDADE

Gary Ridgway, também conhecido como o assassino de Green River, foi condenado por 49 assassinatos, mas presume-se que foi responsável por mais de 90 em um período de 20 anos. Tal quantidade de delitos, tornou-o o assassino em série americano mais prolífico de acordo com o número de assassinatos confirmados.

Nascido em Salt Lake City, Utah, nos EUA, foi criado perto da estrada pacífica de Seattle, um bairro privado perto do aeroporto de SeaTac. Desde uma idade muito precoce, Gary Ridgway foi sexualmente atraído por sua mãe dominadora e tinha problemas com mulheres.

Ridgway era um estudante pobre, que sofria por ter um QI abaixo da média, de apenas 82 pontos e ainda, ter dislexia. A maioria de sua adolescência não foi significativa até os 16 anos de idade, quando ele levou um garoto de seis anos para dentro da floresta e depois esfaqueou-o pelas costelas e no fígado. O menino sobreviveu e disse que Ridgway se afastou dele rindo.

Ridgway foi enviado para o Vietnã depois do ensino médio, e quando voltou, conseguiu um emprego pintando caminhões, que manteve por 30 anos. Embora tenha se casado três vezes e fosse um religioso fanático, Gary Ridgway era um cliente frequente de prostitutas.

Gary Ridgway young

Gary Ridgway em sua juventude

Ridgway tinha um impulso sexual insaciável e passou muito tempo com prostitutas enquanto servia nas forças armadas. Durantes suas aventuras sexuais, ele contraiu gonorréia pela segunda vez, e apesar de irritá-lo, não parou de ter relações sexuais desprotegidas com prostitutas.

OS CRIMES 

Em meados de julho de 1982, o primeiro corpo foi encontrado flutuando no Green River no condado de King, em Washington. A vítima era Wendy Lee Coffield, de 16 anos, uma adolescente problemática que tinha experimentado poucas alegrias na vida antes de ser estrangulada até a morte com sua própria calcinha e jogada na borda rasa do rio.

Sem muita evidência para continuar, seu assassinato permaneceu sem solução, e a pessoa responsável foi apelidada de “The Green River Killer”.

O departamento de polícia do King County não tinha como saber que Coffield representava o início de uma matança selvagem que duraria anos, com a maioria dos assassinatos ocorridos entre 1982 e 1984.

A maioria das vítimas eram prostitutas ou jovens fugitivos que trabalhavam ao longo de uma área da Pac Highway (Highway 99), que havia regredido para ser uma faixa de duas pistas de bares topless e hotéis baratos. Para o assassino do Green River, esta área provou ser um ótimo campo de “caça”.

Gary Ridgway

As vítimas de Gary Ridgway

Relatórios de mulheres e jovens desaparecidas continuaram a ser emitidos ao longo dos anos. Foram descobertos alguns restos mortais agrupados em áreas arborizadas ao longo do Green River e ao redor do aeroporto Sea-Tac, o que estava se tornando ocorrências regulares.

As vítimas eram mulheres que variaram entre idades de 12 a 31 anos. A maioria foi encontrada nua, às vezes com as unhas cortadas. As áreas onde os corpos eram deixados por vezes tinham pontas de cigarros, alimentos e mapas rodoviários ao redor e evidências de que alguns dos cadáveres foram abusados sexualmente. 

A INVESTIGAÇÃO 

Uma força tarefa foi formada para investigar os assassinatos e a lista de possíveis suspeitos. O DNA e os sofisticados sistemas informáticos não estavam por perto no início da década de 1980, logo a força-tarefa teve que confiar no trabalho da polícia para juntar pistas para perfilar o assassino.

Em 1987, a liderança da força-tarefa mudou de liderança, assim como mudou a direção  que a investigação estava sendo conduzida. Em vez de tentar provar quem era o assassino em série, a força-tarefa tomou sua lista de suspeitos e trabalhou na tentativa de identificar quem era o assassino. Aqueles que não puderam ser eliminados foram transferidos para a lista chamada “A”.

Gary Ridgway estava na lista de suspeitos devido a dois encontros que ele teve com a polícia no início da década de 1980. Em 1980, ele foi acusado de dar um golpe de gravata em uma prostituta ao fazer sexo com ela em seu caminhão perto do aeroporto Sea-Tac, que era uma área onde algumas das vítimas tinham sido descartadas.

Quando questionado, Gary Ridgway admitiu o uso de força, mas disse que era mais em legítima defesa, porque a prostituta o mordeu enquanto faz sexo oral. O assunto foi então abandonado.

Em 1982, Ridgway prestou depoimento na Polícia, depois que foi pego em seu caminhão com uma prostituta. Mais tarde descobriu-se que a prostituta era Keli McGinness, uma das vítimas do assassino em série.

Ridgway prestou novos depoimentos em 1983, depois que o namorado de uma prostituta identificou o caminhão de Ridgway como o último caminhão em que sua namorada tinha entrado antes de desaparecer.

Em 1984, Ridgway foi preso por tentar contratar os serviços de uma policial disfarçada posando como uma prostituta. Ele foi levado para interrogatório e concordou em fazer uma prova de polígrafo, que ele passou tranquilamente.

Este incidente e sua relação com Judith Mawson (sua terceira esposa) pareciam diminuir a raiva assassina de Ridgway. Embora na época as vítimas continuavam a ser descobertas, foram relatados menos casos de mulheres desaparecidas durante seu terceiro casamento.

Incapaz de eliminar Ridgway como suspeito, ele mudou-se para a lista “A” e foi colocado sob vigilância policial. Os investigadores examinaram seu histórico de trabalho e determinaram que ele nunca esteve no trabalho nos dias em que muitas das vítimas foram relatadas como desaparecidas.

gary-busted

Gary Ridgway é preso pelas autoridades policiais

Além disso, prostitutas ao longo da faixa deram à polícia a descrição de um homem que foi visto cruzando a área que combinava com Ridgway. Esta era também a estrada que Ridgway costumava ir e sair do trabalho.

Em 8 de abril de 1987, a polícia procurou a casa de Ridgway, que estava fortemente repleta de objetos que ele e sua esposa haviam coletado de caçambas de lixo de locais próximos aos de despejo onde algumas das vítimas mortas. Ridgway foi levado à prisão pela polícia, onde passou um teste de polígrafo e concordou em permitir que eles tomassem amostras de cabelo e de saliva antes de ser liberado por falta de provas.

Acreditando que ele havia mais uma vez “enganado” os investigadores, a confiança de Ridgway estava em alta e logo ele voltou a matar. 

A “CONSULTORIA” DE SERIAL KILLER

Em dezembro de 1983, Ted Bundy, que estava no corredor da morte, se ofereceu para ajudar a força-tarefa a encontrar o assassino de Green River. Os principais detetives encontraram-se com Bundy, que deu uma visão da mente de um assassino em série.

Bundy disse que o assassino provavelmente conhecia algumas de suas vítimas. Ele também disse que mais vítimas provavelmente foram enterradas nas áreas de despejo onde as vítimas foram encontradas.

Bundy também colocou muito significado nas diferentes áreas em que os corpos foram deixados, sugerindo que cada cluster ou local, estava mais próximo da casa do assassino. Embora os detetives achassem a informação que Bundy forneceu como interessante, não fez nada para ajudar a encontrar o assassino. 

A PRISÃO

Em 30 de novembro de 2001, Gary Ridgway foi preso pelos assassinatos de Marcia Chapman, Opal Mills, Cynthia Hinds e Carol Ann Christensen. A evidência foi uma combinação de DNA positiva de cada vítima para Gary.

Mais tarde, amostras de tinta foram cruzadas com um spray utilizado por Ridgway e a combinação positiva aumentou em três vítimas a sua acusação. Temente  que somente o DNA pudesse confundir um júri e não resultar na condenação, o principal detetive da força-tarefa queria mais provas.

Gary Ridgway prison

O assassino de Green River na prisão

Ele entrevistou então as ex-esposas de Ridgway e velhas namoradas e descobriu que Ridgeway havia levado uma namorada para piqueniques e sexo ao ar livre em várias áreas que ele usara para agrupar os corpos de suas vítimas.

A CONDENAÇÃO

Ridgway sabia que ele enfrentaria a pena de morte e ele não queria morrer. Em um acordo com a promotoria, ele concordou em cooperar plenamente com a investigação sobre os demais assassinatos do Green River.

Durante meses, os detetives entrevistaram metodicamente Gary Ridgway, obtendo detalhes de cada um dos assassinatos cometidos. Ele os levou para locais onde ele havia deixado vários corpos e revelado como ele matou cada uma das vítimas e as provas que ele deixou para jogar fora da polícia.

O método preferido de Ridgway de assassinato era o estrangulamento. No começo, ele usou um estrangulamento e depois ele usaria uma régua para torcer um tecido ao redor dos pescoços de suas vítimas. Às vezes ele matava suas vítimas dentro de sua casa, outras vezes ele as matava na floresta.

Gary Ridgway

Gary Ridgway conversando com seu advogado durante o julgamento

Em uma confissão reveladora, que mostrou o lado mais obscuro e sombrio, Gary Rigway disse que usou uma foto de seu filho para ajudar a ganhar a confiança de suas vítimas, e também admitiu matar uma das vítimas enquanto seu filho, ainda criança, esperava no caminhão. Quando perguntado se ele teria matado seu filho, se o filho tivesse percebido o que estava fazendo, sua resposta foi sim.

Nas filmagens de Ridgway divulgadas pelos investigadores, ele confessou uma vez que matou 61 mulheres e em outra fita, ele disse que era 71 mulheres. Mas na conclusão das entrevistas, Ridgway só poderia se lembrar de 48 assassinatos, o que ele disse que ocorreu dentro do Condado de King, em Washington.

Ele também confessou também mover partes do corpo para Oregon para eliminar a investigação e ter relações sexuais com seis dos corpos depois que ele os matou.

Gary Ridgway trial

Gary Ridgway foi sentenciado a 480 anos de prisão sem possibilidade de liberdade condicional

Em 2 de novembro de 2003, Ridgway se declarou culpado de 49 acusações de assassinato agravado em primeiro grau, e sentenciado a 480 anos de prisão sem possibilidade de liberdade condicional.


REFERÊNCIAS

https://www.thefamouspeople.com/profiles/gary-ridgway-30407.php

https://www.thoughtco.com/green-river-killer-gary-ridgway-973098

https://www.biography.com/people/gary-ridgway-10073409

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Sobre os Autores

Deixe seu comentário

comentários