Noticias

Passado sombrio: como BMW, Volkswagen e Mercedes se beneficiaram do nazismo

Ascensão do nazismo e o envolvimento de grandes corporações

Recentemente, observamos o renascimento de cascatas de violência em Charlottesville, EUA, um evento que despertou a sociedade para o ressurgimento de seguidores nazistas – um acontecimento que reacendeu debates sobre as características do nazismo e suas consequências, inclusive no âmbito econômico.

Grandes corporações multinacionais alemãs, ainda atuantes e bem-sucedidas, admitem ter sido beneficiadas pelo governo nazista nos anos 30 e 40. Elas confessam ter desfrutado das políticas governamentais da época, e hoje expressam arrependimento pelos acontecimentos.

nazismo
Imagem: reprodução/ Aventuras na Historia

LEIA MAIS:

Flávio Dino no STF: ministro diz que já tem votos suficientes para aprovação

Número ALARMANTE: ‘deepfakes’ crescem 830% no Brasil em um ano

O que as empresas dizem sobre seu papel no nazismo?

As empresas Volkswagen, BMW, Mercedes, Hugo Boss e Deutsche Bank, cientes das acusações, confirmam que utilizaram trabalho forçado de campos de concentração durante o regime nazista na Alemanha. A Hugo Boss até mesmo produziu uniformes para o exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial. Algumas dessas empresas financiaram estudos para revelar detalhes obscuros do próprio passado e prestaram compensações para as vítimas do Holocausto.

Não apenas empresas alemãs, mas algumas corporações de outras nacionalidades também confessam ao menos alguma conexão com o nazismo em sua história. Mas, de onde vem essa confissão? E o que exatamente essas grandes corporações dizem a respeito de suas ações na Alemanha nazista?

A influência da política econômica nazista nas empresas

A política econômica do regime nazista, focada em combater o desemprego e militarizar a economia, favoreceu várias empresas, incluindo a Siemens. A Deutsche Bank e outras instituições financeiras da época também se beneficiaram do regime nazista, confiscando bens de judeus de acordo com as leis daquela época.

O grupo Daimler-Benz, dono da Mercedes, confessou ter produzido automóveis e motores de avião para o exército nazista. As corporações IBM e Coca-Cola também tinham relações com o regime nazista, segundo pesquisas históricas.

The opinião geral parece ser de que estas empresas cometeram erros consideráveis ao operar sob o regime nazista, e que as ações que cometeram sob esta política devem permanecer como lições históricas para o futuro.

nazismo
Imagem: reprodução/ DW

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo