• 15 de dezembro de 2019

Hannibal

 Hannibal

Hannibal é uma das séries mais notórias e enigmáticas da história do cinema.

Formada por uma quadrilogia, baseada em livros de Thomas Harris, e em uma série de TV em três temporadas de 13 episódios cada – que se cruzam com os filmes/livros -, Hannibal imortalizou Anthony Hopkins na personagem do psiquiatra canibal Dr. Hannibal Lecter, que não apenas mata e come, como também manipula outros matadores e comedores de gente, enquanto se diverte [psicologicamente] com agentes do FBI.

O primeiro filme (The Silence of the Lambs, do romance homônimo), lançado em 1991, ganhou 5 Oscars, dentre eles o de melhor filme (e rendeu a Hopkins o Oscar de melhor ator). Aqui, Dr. Lecter é prisioneiro desde o início (essa prisão somente fará sentido ou será esclarecida na série de TV), e colabora com a agente do FBI Clarice Starling para perseguir outro serial killer, conhecido como Buffalo Bill. Este, um ex-paciente transexual do Dr. Lecter, mata mulheres jovens para fazer uma “roupa” com suas peles costuradas.

O segundo filme (Hannibal), de 2001, traz Hannibal solto, em Florença, quando é encontrado pela força-tarefa do FBI, paralelamente a outro grupo de perseguição formado por um comissário de polícia italiano e um ex-paciente do Dr. Lecter que havia “se deformado” sob orientações psiquiátricas do médico-canibal. Mais uma vez Clarice Starling é o eixo central entre prisão e soltura de Lecter, enquanto o Inspetor Renaldo Pazzi e o bilionário Mason Verger, dentre outros, são assassinados. Ao longo da segunda temporada da série para TV, a relação entre Dr. Lecter e a família Verger se revela.

O terceiro filme (Red Dragon), de 2002, é, na realidade, um “remake” do primeiríssimo filme sobre Hannibal Lecter (Red Dragon, de 1986). A trama se desenvolve num tempo anterior ao do “Silêncio dos Inocentes”, quando Dr. Lecter auxilia (?) o FBI a descobrir e prender um serial killer de codinome “Fada do Dente”, “o grande dragão vermelho”.

O quarto e último filme da quadrilogia, de 2007, é Hannibal Rising, onde, finalmente, é mostrado ao público “a origem do mal”. Hannibal surge como adolescente, em sua terra natal (Lituânia), logo após a Segunda Guerra. O seu episódio traumático teria sido o assassinato de sua irmã Mischa por soldados loucos, que em seguida a devoraram. Tempos depois, Hannibal inicia uma perseguição vingativa sobre os tais soldados.

A personalidade de Hannibal Lecter – culto, rico, médico (cirurgião e psiquiatra), assassino serial e canibal – teria sido forjada no contexto da Segunda Guerra Mundial, num local de extrema miséria e opressão. Ao avistar sua irmã ser morta e comida por soldados, ativa no inconsciente um desejo ou uma propensão para o canibalismo. Sua cultura e riqueza prévia (diz-se ser descendente dos Sforza ou dos Visconti) apenas ilustram uma excentricidade peculiar e necessária à trama literária. Porém, é na medicina que Hannibal encontrará elementos concretos para dar vazão àquela pulsão que vinha sendo “alimentada” desde a adolescência, cujo elemento primordial era a vingança. Vingança dos assassinos de sua irmã, vingança do mundo.

Hannibal Lecter, com toda sua cultura, formação, destreza, conhecimento, erudição, postura, articulação… é, evidentemente, inimputável.

André Peixoto de Souza

Doutor em Direito. Professor. Advogado.