Noticias

Homem é condenado à prisão perpétua no Japão por assassinar brasileiras

Peruano condenado pela morte de duas brasileiras no Japão

Um peruano foi condenado à prisão perpétua por um tribunal no Japão nesta terça-feira, 27 de fevereiro, por assassinar duas brasileiras em dezembro de 2015. Edgard Anthony la Rosa, ex-marido de uma das vítimas, foi considerado culpado pela morte de Akemy Maruyama e Michelle Maruyama.

As irmãs foram encontradas mortas em seu apartamento na província de Aichi, no centro do Japão, após um incêndio. No entanto, exames legistas revelaram que as duas não morreram por causa do fogo ou da fumaça – elas teriam sido estranguladas um dia antes do incêndio.

canalcienciascriminais.com.br homem e condenado a prisao perpetua no japao por assassinar brasileiras homem condenado japao
Imagem: Reprodução

Leia mais:

Homem que estuprou jovem abandonada por motorista de app em BH é condenado a 10 anos de prisão

Patrimônio escondido? PF rastreia possível sonegação de mansão ostentada por Cariani em Campos do Jordão

Suspeita de crime premeditado

Um galão de gasolina encontrado no apartamento levantou a suspeita de que o fogo foi criminoso. La Rosa foi preso no mesmo dia em Nagoya, a cerca de 40 km de Handa, com as duas filhas que teve com Akemy.

O julgamento de La Rosa ocorreu no início de fevereiro. No entanto, a sentença só foi divulgada na terça-feira, e se seguiu um pedido do Ministério Público do Japão para prisão perpétua, devido à gravidade do caso.

No julgamento, La Rosa declarou inocência, afirmando que não se lembrava do que aconteceu e atribuiu o crime a outra pessoa. Akemy e La Rosa estiveram em um relacionamento por seis anos, mas se separaram três meses antes do crime. A mãe das vítimas, Maria Aparecida, relata que La Rosa nunca aceitou o fim do relacionamento e chegou a agredir Akemy semanas antes dos assassinatos.

Após o crime, as duas filhas do casal foram colocadas sob a proteção do governo japonês, em um abrigo na cidade de Handa. A avó materna, Maria Aparecida, finalmente conseguiu a guarda das meninas em 2018, após lutar pela custódia contra a família de La Rosa no tribunal. Hoje, as meninas têm 12 e 14 anos e vivem no Brasil.

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo