- Publicidade -

Homicídio: defesa de gamer contesta laudo de inexistência doença mental

- Publicidade -

Um estudante conhecido como Flash Asmodeus no meio dos games, de 18 anos, é suspeito de matar, usando uma faca e uma espada, outra gamer, de 19 anos, conhecida como Sol. Os dois se conheceram a cerca de um mês antes do crime, em partidas do game Call of Duty: Mobile. O crime teria ocorrido em 22 de fevereiro deste ano, na casa de Guilherme, em Pirituba, na Zona Norte da capital paulista.

- Publicidade -

Logo após matar a gamer, Guilherme (nome verdadeiro do suspeito) gravou um vídeo e compartilhou a imagem nas redes sociais admitindo o assassinato, entregando-se em uma delegacia em seguida, onde foi preso e continua detido.

Em uma filmagem feita por policiais o estudante afirma “eu quis fazer isso”.

De acordo com a investigação, a vítima foi encontrada morta a facadas depois de ter ido à casa de Guilherme. Segundo relatos de um familiar, o estudante teria lhe dito que a garota “teria atravessado seu caminho”, razão pela qual a matou.

Após ser preso, Guilherme afirmou aos policiais que escreveu um livro de 52 páginas nas quais explicaria as razões do crime. Uma cópia do tal “livro” foi anexada ao inquérito e nele o suspeito afirmaria que “planejava um ataque contra o cristianismo e que seria um soldado de um exército, tendo ainda asseverado que a vítima teria atrapalhado seu caminho, o que, em tese, acena para a possibilidade de envolver um plano para atingir outras pessoas”.

- Publicidade -

A defesa de Guilherme alega que ele teve um “surto psicótico”, mas um exame realizado descartou a existência de perturbação mental. Um laudo realizado por peritos médicos indicados pela Justiça de São Paulo concluiu que o estudante não possuía nenhuma doença ou perturbação mental quando cometeu o crime em fevereiro.

Diante da imputabilidade do suspeito, ele deverá ser levado a júri popular. Todavia, até o momento, a juíza da 5ª Vara do Júri não havia decidido, se ele será submetido a julgamento popular. Segundo o promotor de justiça Fernando Cesar Bolque:

Já houve audiência [de instrução], já pedi a pronúncia para ser levado a júri. Estou aguardando a sentença [de pronúncia].

- Publicidade -

Segundo seus advogados, Guilherme possui “esquizofrenia e distúrbios de psicopatia”. A defesa pretende contratar um perito particular para emitir um laudo que corrobore com essa tese.

Sobre os motivos que levaram o jovem a cometer o crime, a defesa afirmou:

- Publicidade -

Não sabemos informar o real motivo, pois nem ele mesmo sabe o explicar. Nossa opinião é que ele teve algum ataque ou surto psicótico. Ele não sabe nos informar, porque nos disse que não lembra de mais nada do que houve naquele quarto.

Leia também

Polícia Civil: passarinho foi causa da morte de meninos de Belford Roxo

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

- Publicidade -

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais