Artigos

Ideais políticos apontam para posições jurídicas

Por Thiago M. Minagé

Atualmente, vivemos uma enxurrada de notícias de corrupção, desvio de verbas públicas, descrédito do governo, falta de respeito dos governantes e assim por diante, colocando em dúvida a democracia e a forma de governo republicana. Crises como esta me fazem lembrar das tensões e períodos de prosperidade, como nos anos vinte e trinta, que puseram em causa, na Europa e nos EUA, o modelo do liberalismo econômico como válido ou não. Acreditando na assegurada “prosperidade” garantida, os EUA mergulhava na maior e mais grave crise econômica da sua história nos anos trinta, que começou com o crash da Bolsa de Nova Iorque em 1929, junto com a crise europeia, arruinando a todos os americanos e fazendo crescer o desemprego a índices jamais vistos, onde então começaram a questionar o liberalismo político e a democracia parlamentar[1].

Assim, algumas pequenas linhas devem ser escritas sobre o socialismo, que é uma doutrina política e econômica surgida no final do século XVIII e se caracteriza pela ideia de transformação da sociedade através da distribuição equilibrada de riquezas e propriedades, diminuindo a distância entre ricos e pobres. Karl Marx, um dos principais filósofos do movimento, afirmava que o socialismo seria alcançado a partir de uma reforma social, com luta de classes e revolução do proletariado, pois no sistema socialista não deveria haver classes sociais nem propriedade privada. Nesse sentido, todos os bens e propriedades particulares seriam de todas as pessoas e haveria repartição do trabalho comum e dos objetos de consumo, eliminando as diferenças econômicas entre os indivíduos.

Esse tipo de sistema é exatamente o oposto ao capitalismo, que se baseia na propriedade privada dos meios de produção e no mercado liberal, concentrando a riqueza em poucos, sugerindo uma reforma gradual da sociedade capitalista e se demarcando do comunismo, que se apresenta mais radical e defendendo o fim do sistema capitalista e queda da burguesia através de uma revolução armada.

Ocorre que as massas populares, afetadas pelo desemprego e seduzidas pela manipulação midiática, se agitaram revolucionariamente, indo ao ponto de intimidar as classes dominantes, as classes médias, que até então mantinham firme o liberalismo e foram as grandes vítimas da queda do poder de compra, perdendo toda a confiança no Estado burguês.

Nesse contexto, emergiram os nacionalismos, tanto mais exaltados e agressivos quanto os respectivos povos cultivando um sentimento de humilhação mundial, tais como os derrotados da I Guerra, como a Alemanha, e até mesmo os não satisfeitos/frustrados com a vitória, como o caso dos italianos.

Analisando os escritos sobre o tema, percebo que o fascismo nasce no seio do liberalismo e da democracia. No século XX, no término dos anos 20, movimentos ideológicos e políticos conseguem subordinar o individualismo e a liberdade ao Estado. Um Estado totalitário onde, de um lado de sua face, mostra uma versão revolucionária, se identificou com o comunismo e, de outro lado, apresenta uma versão conservadora com o fascismo. À época, surge então Mussolini, que se tornaria o grande percursor do fascismo, fundando uma associação nacionalista e posteriormente transformando-a num partido político.

Na ânsia de encontrar sustentabilidade, o fascismo passa a procurar subsídios técnicos e teóricos que firmassem seus alicerces, buscando encontrar princípios que substituíssem a doutrina Marxista de luta de classes, onde então “gritavam” pela solidariedade social entre as classes e firmavam o nacionalismo como forma de preservar a moralidade, os costumes e a tradição, rejeitando assim de forma veemente a democracia.

Hitler, que foi o fundador do Partido Nacional-Socialista em 1919, surge como verdadeiro salvador, alcançando mais de 14 milhões de votos, assumindo o poder em nome do “povo”, tudo por conta de uma verdadeira crise de identidade vivida à época na Alemanha, formando assim um verdadeiro governo de humilhados e desorientados do pós-guerra.

Nítida a relação entre o fascismo e a crise de identidade de uma nação, seja por vergonha ou humilhação, seja pelo sentimento de revolta que impregna o inconsciente coletivo, de tal forma que impede as pessoas de raciocinarem qual o real objetivo daqueles que almejam derrubar ou alcançar o poder[2].

Muitos se dizem indignados, humilhados, revoltados, inconformados, com escândalos de corrupção envolvendo políticos e empresários, problema este crônico que, desde o início das relações público/privado existe, ao ponto de gritarem por impeachment de um governo legítimo escolhido pela própria população.

Politicos surgem como “salvadores da pátria”, defensores da moral, dos bons costumes, tudo conforme a estratégia política de Hitler e Mussolini, sem comparativos, apenas constatações históricas.

As pessoas esquecem, ou mesmo não sabem que, pela oposição firme ao liberalismo à democracia e ao socialismo que surge o malsinado Estado totalitário fascista. Políticos e os politizados se intitulam reacionários, anti-democratas, contra o liberalismo e principalmente anti-socialistas.

As vontades e direitos individuais, como, por exemplo, a liberdade e a igualdade, tornam-se opositores ao fascismo por contrariarem à coletividade, devendo se subordinarem à supremacia do Estado, pregando assim a supremacia estatal em face do indivíduo, eliminando a oposição e impondo apenas uma forma de pensamento.

Ou seja, antes de criticar um posicionamento jurídico, necessário se faz entender os ideais políticos que forjam o ser que se manifesta, pois aquele que não possui um ideal político é como casa construída na areia: na primeira crítica desaba por falta de estrutura.

__________

[1] CARVALHO. Pedro Conceição. O FASCISMO E O NAZISMO. CIARI – Centro de Investigação e Análise em Relações Internacionais. www.ciari.org

[2] DE FELICE, Renzo, Breve História do Fascismo, Lisboa, 2005.

Thiago

Continue lendo
ArtigosDireito Digital

Projeto anticrime aprovado na Câmara altera pena para ofensas nas redes sociais

ArtigosDireito Penal

Todo ato sexual praticado com menores de 14 anos é criminoso? (Parte 2)

ArtigosProcesso Penal

O interrogatório judicial como meio de defesa

ArtigosDireito Penal

A pena em abstrato

Receba novidades em seu e-mail